Petrobras divulga venda de 2 campos terrestres na Bahia

Produção é inferior a 3 mil barris diários no maior dos poços.

Acredite se Puder / 17:08 - 3 de jun de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Petrobras informou nesta segunda-feira que vai vender dois campos petrolíferos terrestres na Bahia. A estatal revelou o início da etapa de divulgação das oportunidades (teaser), referentes à cessão da totalidade de suas participações em dois conjuntos de concessões terrestres, incluindo as instalações compartilhadas de escoamento e tratamento de produção, denominados Polo Recôncavo e Polo Rio Ventura. O Polo Recôncavo compreende 14 concessões terrestres, com produção total média, em 2018, de cerca de 2,8 mil barris diários de óleo e 588 mil m3/dia de gás. O Polo Rio Ventura compreende oito concessões terrestres, com produção total média, em 2018, de cerca de 1,5 mil barris dia de óleo e 43 mil m3/dia de gás.

A Petrobras tem 100% de participação em tais concessões, com exceção de Cambacica e Guanambi, no Polo Recôncavo, em que possui participação majoritária de 75% e 80%, respectivamente. Essas operações estão alinhadas à otimização do portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando a geração de valor para os acionistas.

 

Época’ dá como nova uma notícia velha

A revista Época Negócios, seção Empresa, do dia 28 de maio, noticiou “Petrobras se aproxima da venda de dois campos maduros: Fontes informam que a Petrobras está perto da venda de dois campos de petróleo offshore, em um processo que pode alcançar cerca de US$ 1 bilhão e auxiliaria a estatal em sua busca pela redução de dívidas. Um prazo até 5 de junho foi estabelecido pela petroleira para o recebimento das ofertas finais por seus campos petrolíferos de Pampo e Enchova, no litoral do Rio de Janeiro, disseram duas fontes com conhecimento do tema, que solicitaram anonimato para a discussão de assuntos confidenciais. Empresa independente de petróleo, a Trident Energy, apoiada pela gestora de private equity Warburg Pincus, lidera a disputa, ainda que a Petrobras tenha convidado outras companhias para enviarem suas ofertas, incluindo a PetroRio, sediada no Rio de Janeiro, e um consórcio entre a EIG Global Energy Partners e a firma brasileira Ouro Petro Óleo e Gás, afirmaram as fontes.”

Na hipótese de vazamento de informação relevante, a CVM solicitou da petrolífera as devidas explicações. E a Petrobras informou que as mesmas notícias já haviam sido divulgadas em Fato Relevante e Comunicados nos dias 28/7/2017, 4/10/2017 e 27/2/2018 informando, respectivamente, sobre a divulgação da oportunidade (teaser), o início da fase não vinculante e o início da fase vinculante desse projeto. Atualmente, o projeto está na fase de apresentação das ofertas finais pelos potenciais interessados, não sendo possível, no momento, confirmar o comprador, bem como o valor da melhor oferta.

 

Agências ainda divergem sobre fusão

As agências de avaliação de risco ainda têm opiniões diferentes sobre a possível fusão entre a BRF e a Marfrig, ansiosamente aguardada pelo governo, pois será a forma de o BNDES recuperar os empréstimos de quase R$ 3,6 milhões feitos no frigorífico entre 2007 e 2012. Para a Fitch, a operação é positiva para o crédito, enquanto a S&P alterou suas perspectivas para as empresas para observação positiva.

 

Light quer realizar a OPA

A Light considera realizar oferta pública primária de ações, com esforços restritos de distribuição, no Brasil e no exterior para investidores institucionais qualificados nos EUA e para investidores que sejam considerados não residentes ou domiciliados naquele país.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor