PETROBRAS

/ 15:43 - 27 de mai de 2005

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Situação na Bolívia não ameaça Dutra garante participação no país vizinho e aguarda acontecimentos O presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra, afirmou na sexta-feira que a situação política na Bolívia não é "nada alarmante", o que significa que a atuação da empresa no país vizinho não será prejudicada. "Não passa pelos nossos planos sair da Bolívia, vamos aguardar os acontecimentos", explicou Dutra. Recentemente, a Bolívia aprovou uma lei que aumenta os tributos pagos por empresas na exploração de gás natural no país. De acordo com presidente da empresa, a Petrobras tem atualmente, cerca de US$ 1 bilhão, investidos na Bolívia. Dutra explicou que a nova tributação - que aumentou para cerca de 50% os impostos para as empresas estrangeiras que investem no setor de petróleo e gás na Bolívia - não chega a comprometer a viabilidade econômica dos projetos que a Petrobras já mantém no país, uma vez que esses investimentos já se pagaram ao longo dos anos. O problema, segundo ele, são novos projetos, como o de um pólo gás-químico na fronteira dos dois países. "Esse projeto vai precisar ser reanalisado" . O presidente da Petrobras também declarou que a bomba colocada em uma unidade da empresa na Bolívia foi um "caso isolado" e que a preocupação maior é com a "segurança dos empregados". "Digamos que o pessoal está mais cuidadoso", acrescentou, sem fazer maiores alardes. Dutra lembrou que vários pontos da nova lei boliviana ainda não foram regulamentados, o que é mais um motivo para a empresa aguardar. Segundo a lei, os contratos anteriores devem ser alterados em 180 dias, acrescentou Dutra.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor