Pessimismo recorde com a economia global em 2020

Dieese culpa a reversão da tendência de liberalização do comércio mundial.

Conjuntura / 23:12 - 22 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Pesquisa global realizada com 1.581 diretores executivos de 83 países mostra pessimismo recorde com a economia em 2020. O levantamento, realizado pela consultoria PwC e apresentado durante a abertura do Fórum Econômico Mundial na última segunda-feira, revela que 53% dos entrevistados apostam em um declínio do crescimento mundial. Aqueles que apostam em uma aceleração do crescimento caíram de 57%, no ano passado, para 22% atualmente.

É o pior índice registrado desde 2012, quando a pergunta foi incluída no relatório, e contrasta com o otimismo registrado dois anos antes, quando apenas 5% dos presidentes-executivos acreditavam em uma retração.

Dentre as razões para as incertezas, os executivoos apontam o agravamento do aquecimento global e das tensões geopolíticas, como a ameaça de guerra entre os Estados Unidos e o Irã, depois que o presidente norte-americano, Donald Trump, ordenou ataque que matou o general iraniano Qassem Soleimani, no início do ano.

O diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, destaca que o momento atual é de reversão da tendência de liberalização do comércio mundial, que foi a marca da globalização nas últimas décadas. Agora, muitos países têm adotado medidas para proteger os seus mercados internos, o que deve resultar num menor crescimento global, afetando também o crescimento da economia brasileira.

A crise ambiental também têm forçado mudança na concepção dos negócios no mundo. O economista alemão Klaus Schwab, idealizador do Fórum Econômico Mundial, defendeu a transição para um modelo de “capitalismo das partes interessadas”, em oposição ao “capitalismo dos acionistas”, que vigorou nos últimos anos. “Esses empresários começam a se posicionar no sentido de que as empresas têm que ter outro posicionamento em relação aos seus objetivos, que devem ser os interesses da sociedade, a questão social e a questão ambiental”, frisou.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor