Pesquisa revela baixo uso da computação em nuvem no Governo Federal

Informática / 14:10 - 20 de abr de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Pesquisa do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão revela que apenas 25 órgãos do Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação (Sisp) utilizam computação em nuvem fora das suas instalações. As informações foram divulgadas durante a 4ª reunião da Comissão de Coordenação do Sisp (CC-Sisp), realizada ontem, no Ministério da Justiça. Participaram da pesquisa 136 órgãos integrantes do sistema. Entre as vantagens da computação em nuvem estão a redução dos custos e um melhor atendimento ao cidadão. Segundo o secretário de Tecnologia da Informação do MP, Cristiano Heckert, existem movimentos para a adoção do modelo no mundo inteiro. - Estamos estudando também no governo brasileiro, pois sabemos que a solução de nossos problemas infraestrutura não será resolvido com investimentos isolados de cada órgão. Precisamos compartilhar o uso de infraestrutura e também buscar as soluções de nuvem, junto a fornecedores públicos e privados - afirma. Além da pesquisa da STI, foram apresentadas durante a reunião a experiência do MP com o modelo e a hospedagem como serviço (hosting) oferecida pela Empresa de Tecnologia da Informação da Previdência Social (Dataprev). Na reunião, o secretário-executivo do MJ, Marivaldo de Castro Pereira, relatou a experiência do ministério com o Laboratório de Participação e Inovação (LabPI). Na última semana, acabaram as inscrições para o hackathon de combate à corrupção, uma parceria com o MP e a Controladoria-Geral da União (CGU). O concurso tem o objetivo de tornar acessível para a sociedade os dados da Rede do Sistema de Convênios do Governo Federal (Rede Siconv). - Na transparência ativa temos o desafio de traduzir estes dados para a sociedade. Qual é o fiscal para controlar a qualidade do serviço público? É o cidadão - afirmou Pereira. Ao todo, 54 experiências foram inscritas no concurso. Os vencedores serão divulgados no dia 29 de abril.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor