Pesquisa aponta desigualdade como problema nº 1 da AL

Uruguai é o país com a melhor economia, dizem formadores de opinião.

Fatos e Comentários / 21:02 - 2 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A desigualdade social suplantou a corrupção na pesquisa feita pela Ipsos com formadores de opinião da América Latina. Apesar do noticiário persistente que tenta apontar a propina como a origem de todos os males latino-americanos, as diferenças sociais tiveram 67% das respostas; corrupção ficou com 63%; em terceiro, bem distante, a falta de respeito ao sistema democrático, com 22% (na Bolívia, que sofreu um golpe em novembro, os três temas aparecem praticamente empatados, com 57%, 62% e 59%, respectivamente).

No Brasil, a desigualdade lidera a lista, com 60% de escolhas, bem acima da corrupção (40%). Em terceiro, um empate: falta de respeito ao sistema democrático e desemprego/falta de crescimento econômico foram escolhidos por 37% dos entrevistados.

Falando em economia, o Uruguai desbancou o Chile como melhor país da região, escolhido por 76%. O país de Sebastián Piñera, sacudido por manifestações diárias contra a desigualdade social, desabou para o quinto lugar, com 46% das preferências. Em 2018, o Chile era tido por 93% dos formadores de opinião como o mais qualificado em economia – o que mostra o descompasso entre os entrevistados e a população.

A pesquisa La Crisis En América Latina ouviu 360 pessoas em 14 países da região.

 

Os números reais da Petrobras

Quem quiser conhecer a verdade sobre as finanças da Petrobras pode acessar os balanços no site da empresa. Verá que a estatal registrou lucros constantes de 2006 a 2013. No período do chamado “preço controlado” (2009/2013), a companhia apresentou os maiores lucros e as maiores gerações de caixa de sua história. Nunca teve problemas financeiros, registrando uma Liquidez Corrente sempre acima de 1,5, ensina Cláudio da Costa Oliveira, economista da Petrobras aposentado.

Prejuízos vieram no período 2014/2017 e não foram causados por corrupção e muito menos por preços controlados. “Os prejuízos foram causados pelos impairments, que são ajustes contábeis sem efeito no caixa da empresa”, registra o economista.

 

Câncer de pele

A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec) abriu consulta pública para avaliar a incorporação ao SUS de diversos medicamentos para tratar o melanoma, menos comum dos cânceres de pele, mas o mais severo devido ao alto risco de disseminação para outros órgãos.

Anualmente, o Brasil registra 6.260 novos casos da doença e 1.794 óbitos, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). A consulta foi aberta mês passado, o Dezembro Laranja, que marca a Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele.

 

Lavagem

Os profissionais da contabilidade devem entregar a Declaração Anual Negativa ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), até 31 de janeiro. A Lei 9.613/1998 busca prevenir e combater a lavagem de dinheiro e o financiamento ao terrorismo.

Segundo a vice-presidente de Fiscalização, Ética e Disciplina do Conselho Federal de Contabilidade, Sandra Maria Batista, a informação prestada contribuirá para que o Coaf identifique as ocorrências suspeitas. “Vale ressaltar que a prática de operações ilícitas derivadas de lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo não são protegidas pelo sigilo profissional, pois configuram crime”, explica Sandra.

 

Sem biscoito

Será que a tradição natalina do biscoito de gengibre saiu de moda na Europa? É o que se pergunta a Eurostat, espécie de IBGE europeu. Entre os Estados-membros da União Europeia, a Alemanha produziu o maior volume do biscoito (83 mil toneladas), representando quase metade (44%) da produção total da UE, seguida pelos Países Baixos (45 mil toneladas, 24%) e Polônia (27 mil toneladas, 14%).

Estes três Estados-membros da UE foram responsáveis por mais de três quartos (81%) da produção total de biscoito de gengibre da UE em 2018, que somou 189 mil toneladas. Em 2008, foram 239 mil toneladas. Será a queda de 21% provocada por mudanças na tradição ou pela crise econômica?

 

Convicção

A fuga de Carlos Ghosn expôs que o sistema judiciário do Japão se assemelha a uma grande Operação Lava Jato: prende-se o suspeito por 23 dias sem acusação formal e sem acesso a advogados, e os procuradores interrogam por até 12 horas seguidas até que a pessoa confesse.

 

Rápidas

O Caxias Shopping inicia o Shows da Sexta em 2020 com o cantor Maicon Freitas interpretando sucessos nacionais e internacionais, a partir das 19h30.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor