Percentual de famílias endividadas se manteve estável em dezembro

Pesquisa também registrou queda na proporção de famílias inadimplentes.

Conjuntura / 12:10 - 23 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

No mês de dezembro, o percentual de famílias endividadas permaneceu estável no comparativo com o mês anterior e alcançou 61,5% (frente a 61,5% em novembro e 61,7% em outubro). A despeito da estabilidade, a composição do endividamento mudou, com queda da proporção de famílias muito endividadas de 16,4% em novembro contra 14,5% em dezembro. O levantamento é do Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (IFec-RJ), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro, apurado pela Confederação Nacional do Comércio (CNC).

A dívida no cartão de crédito, que historicamente é a mais contraída entre as famílias, foi citada em dezembro de 2019 por 75,4% dos endividados, muito acima da segunda modalidade de dívida mais citada, o crédito pessoal (12,4%). O cheque especial foi mencionado por 10,1% das famílias.

A pesquisa também registrou queda na proporção de famílias inadimplentes de 15,4% em novembro contra 13,5% em dezembro.

A queda do endividamento e da proporção de famílias inadimplentes pode refletir os bons resultados recentes da atividade econômica do estado do Rio de Janeiro, da produção industrial, bem como do volume de vendas dos setores de comércio e serviços. O estudo também mostrou que a parcela média da renda comprometida com dívidas se manteve praticamente estável (26,3% em dezembro contra 26,1% em novembro).

Em novembro, a atividade econômica, a produção industrial, o volume de vendas do setor de comércio e serviços apresentaram melhora frente ao mês de outubro.

Para o diretor do IFec-RJ, João Gomes, cabe também destacar o bom desempenho do mercado de trabalho formal.

- Em novembro, o Caged registrou a criação líquida de quase 17.000 empregos formais, melhor resultado para o mês desde 2013 e o melhor resultado entre estados para o mês de novembro depois de São Paulo.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor