Parlamentares britânicos rejeitam eleições instantâneas

Pela segunda vez, legisladores votaram por rejeitar a segunda tentativa de Johnson, causando outro duro golpe em sua estratégia do Brexit.

Internacional / 12:29 - 11 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Parlamentares britânicos votaram na segunda-feira à noite rejeitar a segunda tentativa do primeiro-ministro, Boris Johnson, para uma eleição geral rápida, causando outro duro golpe em sua estratégia do Brexit.

Os legisladores votaram 293 a 46 para recusar o desejo do governo de realizar uma eleição geral no dia 15 de outubro. A próxima eleição geral está prevista para 2022.

De acordo com o resultado anunciado nas primeiras horas de terça-feira, os votos a favor de uma eleição antecipada ficaram aquém dos 434 votos necessários e marcaram a sexta derrota do novo primeiro-ministro na Câmara dos Comuns.

É a segunda vez que Johnson não consegue obter maioria suficiente de dois terços na Câmara dos Comuns exigida por lei para uma eleição geral antecipada. Sua primeira tentativa foi rejeitada no Parlamento na última quarta-feira.

Outras derrotas de Johnson incluem: um projeto de lei que se tornou lei na segunda-feira para orientá-lo a procurar um Brexit atrasado, um trabalho que ele prometeu não aceitar, a renúncia de Amber Rudd no sábado como secretária de trabalho e pensões e a demissão de seu irmão mais novo, Jo Johnson, do seu governo.

A decisão de Johnson de suspender o Parlamento até 14 de outubro também foi contestada nos tribunais da Escócia e Irlanda do Norte.

Antes da votação no fim da noite, o primeiro-ministro disse ao Parlamento que uma eleição antecipada era a única maneira de resolver o atual impasse do Brexit no país.

"Deixe as pessoas decidirem se querem um atraso no Brexit", disse Johnson no Parlamento, enquanto pedia apoio para sua candidatura a uma eleição rápida.

 

Agência Xinhua

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor