Advertisement

Parcerias que educam

Nova Friburgo se mobilizou pela truta e pelo turismo, contra a destruição de seus rios

Empresa-Cidadã / 27 Novembro 2018

O município serrano de Nova Friburgo que, em 2018, comemora 200 anos de fundação, realiza o Festival de Truta. O município é considerado a capital da truta, produzindo este peixe em números que, oferecidos pelos produtores (48 toneladas) superam os números oficiais (36 toneladas). Como ocorre em outros segmentos produtivos, como o da moda íntima, importantes para a economia regional, um dos principais obstáculos para o crescimento das vendas pelo produtor local está na precariedade de canais comerciais de distribuição.

Se, no entanto, a produção (seja de 36 ou 48 toneladas, a margem de erro da truta, portanto, é de 6 toneladas, para mais ou para menos) não chega como deveria ao consumidor, o consumidor chega até a produção. Durante novembro, ocorre o tradicional Festival de Truta (festivaldetruta.com.br), para promover essa vocação da cidade e seus convidativos restaurantes. Cinquenta estabelecimentos participantes do festival criam pratos à base de truta, com diferentes preços e composições.

O Festival conta também com oficinas de gastronomia, escolha de pratos, degustação de cervejas (Nova Friburgo caminha para se tornar um polo cervejeiro expressivo, com a atuação de produtores de cervejas artesanais, obtidas a partir da produção local de lúpulos – garantia de qualidade), cachaças e cafés. O público participa também através de oficinas no Friburgo Shopping e aprende as receitas dos pratos oferecidos no festival.

Trata-se de um arranjo de grande estímulo ao fortalecimento das cadeias de negócios, reunindo piscicultores, alguns deles orgânicos, comerciantes e consumidores, convidativo à incorporação de outros entes, capazes de potencializar esta vocação municipal.

A produção das trutas requer água corrente e límpida. Um setor da economia local, empregador e alavanca para outros, como o turismo, por sua necessidade de uso de água de qualidade, representa também um apelo para o cuidado ambiental. Não sem motivo, recentemente a Câmara Municipal de Nova Friburgo restabeleceu a proibição de instalação de usinas hidrelétricas nos rios locais.

Por unanimidade, em 23 de setembro, os vereadores derrubaram o veto do prefeito ao projeto de lei que proíbe a construção de centrais hidrelétricas nos rios da cidade. A derrubada do veto do prefeito foi saudada por integrantes do Movimento em Defesa do Rio Macaé, que estiveram presentes à sessão.

A lei tinha sido proposta em meio a uma polêmica tentativa de um consórcio de empresas de instalar, em 2016, três Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), no leito do Rio Macaé, que acompanha o curso da RJ-142, estrada Serramar, que liga Nova Friburgo a Casimiro de Abreu, na Região dos Lagos.

Na ocasião, a população se mobilizou, o que resultou em um abaixo-assinado contra a instalação das hidrelétricas. O Comitê de Bacia Hidrográfica dos rios Macaé e das Ostras (CBH Macaé) divulgou nota, afirmando que as PCHs reduziriam a vazão das águas do rio, e que isso prejudicaria as atividades de recreação e turísticas no entorno. Em outubro de 2016, o consórcio interessado nas PCHs comunicou a desistência do projeto.

O Macaé, mantido rio, tornou-se fio e costurou todos os interesses de pequenos produtores, hotéis e pousadas, restaurantes, moradores, visitantes e crianças.

 

2ª causa de morte dos brasileiros

O câncer é a 2ª causa de morte dos brasileiros. Mesmo com práticas saudáveis de vida, muitos terão essa doença que tem cura. Para a cura do câncer, é necessária uma equipe de especialistas empenhada no tratamento, composta de cirurgiões oncológicos, oncologistas clínicos, rádio-oncologistas e outros importantes profissionais da saúde.

O dia 27 de novembro ficou marcado como o Dia Nacional de Combate ao Câncer, instituído pelo Ministério da Saúde, há 30 anos. Em 2018, o domingo (25 de novembro), foi escolhido para marcar o combate ao câncer e a todo o medo que a desinformação dessa doença traz.

Paulo Márcio de Mello é professor aposentado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

paulomm@paulomm.pro.br