Para Dieese, retomada do crescimento é frágil

Conjuntura / 09 Fevereiro 2018

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) acredita que a trajetória de crise brasileira pode ter chegado a um limite em 2017, com possibilidade de uma leve recuperação da atividade econômica ao longo deste ano. Mas questiona aqueles que alardeiam a recuperação plena.

“Há poucos motivos para se pensar em uma vigorosa ou mesmo moderada retomada do crescimento econômico. Todas as incertezas estruturais existentes em 2017 seguirão presentes em 2018, e não há no cenário interno ou externo elementos para uma aposta sólida em alguma mudança que altere para melhor as expectativas”.

Segundo analisa o Dieese, em seu Boletim de Conjuntura de fevereiro, um cenário mais otimista pode aparecer caso a crise forneça elementos “para uma reflexão sobre o que não deve ser feito em matéria de gestão da economia”. “A menos que o objetivo seja, de fato, a concentração de renda e a exclusão da maior parte da população dos benefícios do crescimento econômico”, acrescenta o instituto.

O ano passado terminou com previsão de “recuperação pífia, que não inspira otimismo”, diz o boletim, lembrando que o país vinha de dois anos de recessão profunda. Até agora, há uma persistente recuperação do consumo das famílias, o que dá fôlego para o Produto Interno Bruto (PIB).

“Mas é importante observar que a renda vem crescendo impulsionada fundamentalmente pelo emprego informal (que não dá acesso facilitado ao crédito, por exemplo) e não há certeza quanto ao prosseguimento dessa tendência”, pondera o Dieese. “Visto dessa forma, esse importante componente da demanda se mostra em crescimento contínuo, mas não sólido o suficiente para apontar uma trajetória segura e vigorosa da retomada.”

Os dados do desemprego, com alguns indicadores positivos, mostram que “o mercado de trabalho segue patinando, com o fraco ritmo de crescimento economia”. Houve redução da taxa de desemprego em algumas regiões metropolitanas, mas, pela pesquisa do Dieese em parceria com a Fundação Seade o tempo médio de procura por novo trabalho chegou a 52 semanas em São Paulo (um ano) e a 60 semanas em Salvador.