Para AEB a Operação Carne Fraca vai afetar exportações

Negócios Internacionais / 20 março 2017

O presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, avaliou que a imagem do Brasil no estrangeiro vai ser muito afetada, de forma negativa, pelo resultado das investigações da Polícia Federal (PF) que culminaram na Operação Carne Fraca. De acordo com a PF, os frigoríficos envolvidos no esquema criminoso colocavam ácido ascórbico em carnes vencidas e as reembalavam para venda nos mercados interno e externo. Castro vê com preocupação a situação, “porque o Brasil demorou muito tempo para consolidar sua participação no mercado internacional e hoje é um dos grandes exportadores de carne. Então, com isso, a imagem do país, vai ser muito afetada”.

Ele esclareceu que como a exportação de carne não é bolsa de mercadorias mas mercado físico, “oferta e demanda”, o país vai enfrentar eventuais cancelamentos e possíveis reduções de preços. Disse que o cenário só não será pior porque nos Estados Unidos, que são o maior exportador de carne de frango hoje, apareceu mais um caso de gripe aviária. “Mas, infelizmente, nós vamos sentir o impacto negativo aqui”. Segundo Castro, o Brasil exporta atualmente quase US$ 12 bilhões (o equivalente a quase R$ 40 bilhões) de carnes bovina, suína e de frango por ano. “É um setor que emprega muita gente. Os principais compradores da carne brasileira de frango são Arábia Saudita, China e Japão, que são muito exigentes. Possivelmente, eles vão cancelar seus contratos ou vão pedir novos certificados”, indicou Castro. Ele salientou que, eventualmente, poderá ocorrer repercussões em terceiros países, que podem entender que o Brasil perdeu credibilidade com a emissão de certificados.

Produção e exportação de aço sobem 9,5%

Dados divulgados pelo Instituto Aço Brasil revelam aumento de 9,5% na produção nacional de aço bruto no bimestre janeiro/fevereiro deste ano, em comparação a igual período do ano passado. Foram produzidos no país 5,4 milhões de toneladas de aço bruto. Também a produção de laminados subiu 4,9%, alcançando 3,5 milhões de toneladas. No acumulado dos dois primeiros meses do ano, as vendas no mercado doméstico (2,5 milhões de toneladas) caíram 1,2% em relação a 2016. Em contrapartida, as exportações cresceram 19,4% em volume, somando 2,4 milhões de toneladas, com aumento em valor (US$ 1,1 bilhão) de 51%. As importações registraram incremento também de 91,7% entre janeiro e fevereiro, atingindo 370 mil toneladas. Em valor (US$ 306 milhões), as importações mostraram alta de 33,6%. Segundo o Instituto Aço Brasil, o consumo aparente nacional de produtos siderúrgicos foi 2,8 milhões de toneladas no bimestre, mostrando expansão de 5,5% comparativamente ao mesmo período do ano passado.

Brasil amplia exportação de café aos árabes

O Brasil exportou o equivalente a US$ 38,4 milhões em café aos países árabes no primeiro bimestre, um aumento de 27% em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados divulgados dia 9 pelo Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé). Foram embarcadas 226,5 mil sacas, volume muito próximo ao registrado nos dois primeiros meses de 2016. Nesse sentido, o crescimento da receita ocorreu principalmente em função do aumento do preço médio do produto. De acordo com o Cecafé, o valor ficou 19% mais alto no primeiro bimestre de 2017 em relação ao mesmo período do ano passado.

Marcas brasileiras de moda na França

Quatro empresas participantes do Texbrasil – Programa de Internacionalização da Indústria Têxtil e de Moda Brasileira, marcaram presença nos tradicionais salões franceses Tranoï e Vendôme Luxury, realizados na cidade de Paris entre os dias 3 e 6 de março. Como resultado, as brasileiras LN Deluxe, Patricia Bonaldi, Vitor Zerbinato e Anamaria Couture fecharam negócios no valor de US$ 220 mil durante os eventos, com estimativas de vendas de US$ 710 mil para os próximos 12 meses.

Brasil na maior feira odontológica do mundo

Empresas associadas à Abimo (Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios) e que fazem parte do Projeto Brazilian Health Devices, executado pela entidade em parceria com a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), estarão na maior feira do mundo do setor odontológico, a IDS (International Dental Show), que acontece de 21 a 25 de março de 2017, em Colônia, na Alemanha. A IDS, feira bianual, desempenha papel de sucesso na apresentação de novas tecnologias e inovação relacionada ao setor odontológico mundial.

Vinícolas brasileiras em evento em Duseldorf

A participação de dez vinícolas brasileiras na ProWein, em Duseldorf, na Alemanha, deve resultar em negócios de US$ 950 mil. A projeção é das empresas que estarão no estande J28, no hall 9, até esta terça-feira, naquela que é considerada a maior feira de vinhos do mundo. A ação é do projeto setorial Wines of Brasil, desenvolvido pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), por meio do Fundo de Desenvolvimento da Vitivinicultura do RS (Fundovitis) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Em 2016, as vinícolas brasileiras ampliaram o valor das exportações para os países europeus em 10% em relação ao ano anterior, com a comercialização de US$ 1,24 milhão. Em volume, as vendas atingiram 272,2 mil litros, alta de 7,6% sobre 2015, remetidos para 11 países.

editor@exportnews.com.br