Palocci acusa Lula de receber propina da Odebrecht

Política / 07 Setembro 2017

Ex-ministro admite que ex-presidente questionou sobre corrupção na Petrobras

O ex-ministro Antônio Palocci disse, em depoimento ao juiz Sérgio Moro, que a Odebrecht adquiriu um apartamento em São Bernardo do Campo para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e um terreno para a construção do Instituto Lula, como compensação pelas vantagens que a empresa recebeu durante o governo do petista.
Detido há um ano em Curitiba, Palocci disse que a relação entre a empreiteira e os governos Lula e Dilma foi “bastante intensa, bastante movida a vantagens dirigidas à empresa, a propinas pagas pela Odebrecht para agentes públicos em forma de doação de campanha, em forma de benefícios pessoais, em forma de caixa 1 e caixa 2”. Palocci foi ministro da Fazenda de Lula e da Casa Civil de Dilma.
O ex-ministro detalhou como as diretorias da Petrobras foram divididas entre os três principais partidos que compunham o governo durante as administrações petistas. “Na Diretoria de Serviços, [ficou] o PT, na Diretoria Internacional, o PMDB, e na Diretoria de Abastecimento, o PP.” Palocci caiu em contradição quando disse que conversava com Lula sobre essas relações. Ele narrou como foi questionado pelo ex-presidente em 2007 se estaria havendo “muita corrupção” nas diretorias de Serviços e de Abastecimento.
Em nota, o Instituto Lula diz que a história de Palocci é contraditória com outros depoimentos. Acrescenta que o ex-ministro, condenado por Moro a 12 anos de prisão, busca negociar com o Minis-tério Público e com o próprio juiz um acordo de delação premiada. A base do acordo seria validar as acusações do MP a Lula.
Palocci tentou, em um primeiro momento, negociar a delação contando o que sabe sobre a atuação dos bancos. Esta linha, porém, foi rebarbada pelo MP.