Advertisement

Os menosprezados do ‘Novo Mercosul’

Internacional / 10 Agosto 2018

Lima – O desenvolvimento da Zona Sul no Peru tem como base o eixo Matarani–Ilo–Tacna, que foi constituído há vários anos sobre a infraestrutura das zonas industriais de Ilo e Matarani e da Zona de Tratamento Comercial Especial de Tacna.

A Zona Industrial e Comercial de Ilo foi construída na Zona Sul do Peru e logo transformou-se em uma alternativa excepcionalmente favorável para empresas exportadoras e para investimentos, graças a sua posição geográfica, infraeastrutura, comunicações e transporte.

 

Peru tem vantagens para

fornecer acesso ao Pacífico

 

Sua localização fica a oito quilômetros do porto de Ilo, no Oceano Pacifico, garantindo favorável intercâmbio comercial entre os países da Bacia do Pacífico e os “menosprezados do novo Mercosul” Peru, Bolívia e, porque não, Chile.

O meio de transporte – principal argumento em comércio exterior – com as zonas industriais e comerciais de Ilo é a Rodovia Panamericana, interligando a capital Lima com todas as demais grandes cidades do sul como Arequipa, Moquegua, Tacna e demais do Altiplano Andino.

Desde janeiro de 1992, os governos do Peru e da Bolívia formalizaram o Acordo do Projeto Binacional Gran Mariscal Andrés de Santa Cruz, segundo o qual o Peru outorga à Bolívia uma gigantesca área de Ilo, destinada a atividades de comércio exterior.

Com objetivo de estimular o intercâmbio comercial bilateral, os dois países formalizaram um acordo por força do qual criou-se a Zona de Livre Comércio permitindo atrair tanto o comércio boliviano, quanto dos demais países do Altiplano Andino.

O acordo contempla a união de rodovias de ambos os países por intermédio da estrada Ilo–Desaguadero. Assim, ambos os governos desenvolvem esforços no sentido de modernizar suas redes rodoviárias e ampliá-las.

Zona Comercial de Tacna

Este excepcionalmente importante centro de intercâmbio comercial foi criado em 1988 com objetivo de impulsionar o comércio no Sul do Peru e enfrentar com dinamismo o desempenho que registram os portos chilenos de Arica e Iquique e, ainda, combater o forte fluxo de contrabando que entrava através da Zona Comercial de Tacna.

A principal vantagem da Zotac de Iquique – a Zona Franca mais importante da América do Sul, e uma das mais bem-sucedidas – é ser o principal centro de intercâmbio comercial dos países do Altiplano Andino com os demais países-membros do Mercosul – Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai – e sua porta de saída aos países do Oceano Pacífico.

Por este motivo foi construído o Complexo de Depósitos Francos de Zotac, concebido para servir de grande centro de distribuição física internacional e, simultaneamente, zona de vendas varejistas, a exemplo dos tradicionais mercadinhos bairros.

 

Rodrigo Alvarez Delgado

Correspondente da Latino-americana de Notícias.