Advertisement

Oposição a Maduro quer boicotar medidas de recuperação da economia

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou mudanças no subsídio do governo sobre a gasolina, considerada a mais barata...

Internacional / 14 Agosto 2018

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou mudanças no subsídio do governo sobre a gasolina, considerada a mais barata do mundo, como parte de uma série de medidas para tentar recuperar a economia do país.

A venda pelo preço subsidiado da gasolina será mantida para todos os que tiverem o Carnê da Pátria, censo criado no ano passado e no qual se inscreveram 17 mil pessoas. O carnê controla o acesso a alimentos subsidiados, medicamentos, hospitais, ensino público e benefícios sociais.

Também poderão continuar comprando o combustível pelo valor subsidiado os venezuelanos terão que se registrar até esta sexta-feira no Censo de Transporte, criticado pela oposição como uma ferramenta de controle social e político. Quem não se cadastrar terá que pagar preço internacional.

A alteração da política de subsídio da gasolina visa controlar o contrabando para ilhas do Caribe e a Colômbia, disse Maduro, acrescentando que a Venezuela perde 18 bilhões de dólares anualmente no tráfico ilegal de combustíveis para o país vizinho.

"Espero que em dois anos tenhamos consertado a deformidade que se criou por muitos anos: a gasolina era dada de presente", afirmou Maduro. "Essa é uma anomalia muito grande, já criei o sistema para evitá-la e aspiro que funcione."

O preço médio do litro da gasolina na Colômbia, de cerca de 1 dólar, é o suficiente para encher os tanques de 700 veículos na Venezuela.

O preço da gasolina na Venezuela não sofre mudanças desde 2016, quando Maduro o fixou em seis bolívares por litro. Desde então, a depreciação do bolívar acabou convertendo o valor em uma quantia ínfima.

Maduro advertiu que, caso a oposição se atreva a sabotar o novo preço da gasolina, "vai se arrepender de ter nascido". Opositores consideraram os censos do governo discriminatórios e pediram que os cidadãos não se inscrevessem.

 

Plano de recuperação

 

Em 20 de agosto, entra em vigor o novo plano de recuperação econômica de Maduro, com a segunda reconversão monetária em dez anos. Uma nova família de notas, o bolívar soberano, passará a circular, cortando cinco zeros da moeda nacional.

A nova moeda coexistirá com o atual bolívar forte. Enquanto o bolívar soberano será usado para pagar transações maiores, o bolívar forte será destinado para pequenas despesas. Maduro espera que o plano ajude a recuperar a economia do país, assolada pela hiperinflação e recessão, em dois anos.

O anúncio do plano econômico foi feito após o Fundo Monetário Internacional (FMI) alertar que a inflação anual venezuelana pode chegar a 1 milhão por cento neste ano.

O bolívar soberano ficará será indexado à criptomoeda estatal petro, lançada em dezembro passado para driblar as sanções financeiras de Washington.