Advertisement

ONS garante abastecimento mesmo com previsão de consumo 3,8% maior

'Mesmo com o sistema fragilizado, não houve problema no abastecimento', destacou o diretor-geral, Luiz Eduardo Barata

Conjuntura / 11 Fevereiro 2019 - 11:10

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O setor elétrico não deverá ter problemas em abastecer a demanda, mesmo com o aumento do consumo, garante o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luiz Eduardo Barata. A previsão é que as altas temperaturas, aliadas a um maior crescimento econômico, elevem a demanda em 3,8% este ano. No ano passado, a alta foi de 1,1% em relação a 2017.

Mesmo que o crescimento seja superior a esse percentual, não deveremos encontrar problemas de abastecimento.” Barata admitiu que, se o crescimento for superior, será necessário revisar o planejamento para os próximos anos”.

O entendimento do ONS é que, se o país começar a usar antecipadamente a capacidade de geração e, assim, gastando em maior escala a energia armazenada, terá de haver uma avaliação da capacidade do sistema. “Eu diria que o sistema está preparado para enfrentar um crescimento maior do que os 3,8% que a gente projeta para este ano”, afirmou Barata à Agência Brasil.

Ele adiantou que, em abril, o quadro será mais claro para o ONS e a Empresa de Pesquisa Energética. “Vamos trabalhar com essa meta até março, quando haverá a primeira das três revisões anuais que são feitas normalmente. Em abril, já teremos uma visão mais abalizada de quanto será o crescimento de economia em 2019 e dali para a frente.”

Do ponto de vista do atendimento [à demanda] de curto prazo, não vemos nenhum problema. O país enfrentou aí nas últimas duas semanas temperaturas e consumo muito altos e, mesmo com o sistema fragilizado, não houve problema no abastecimento”, destacou o diretor do ONS.

Para Luiz Eduardo Barata, neste momento, não há nenhuma luz amarela acesa. “Estamos avaliando e, se houver degeneração grande dos reservatórios, obviamente, vamos alertar o Comitê de Monitoramento, mas, por enquanto, está tudo sob controle.”

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor