Oito em 10 acham muito importante Educação Financeira para crianças

O levantamento também constatou que três em cada 10 entrevistados dão mesada aos filhos ou a outras crianças.

Conjuntura / 15:22 - 10 de out de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Segundo pesquisa realizada pela Boa Vista, sobre a intenção de compra para o Dia das Crianças, 84% dos consumidores acreditam ser muito importante que crianças e adolescentes tenham orientações relacionadas à Educação Financeira. Outros 15% dos entrevistados consideram estas orientações importantes, e 1% nada importante. O levantamento foi feito entre os últimos meses de agosto e setembro, com cerca de 600 consumidores, em todo o país.

Questionados sobre qual método utilizam na orientação financeira dos filhos ou de crianças próximas, 69% dos entrevistados indicam que optam pela conversa em família (explicando o que é, como se ganha e para que serve o dinheiro). Já outros 28% o fazem estimulando a criança a economizar a mesada. Por fim, 3% afirmam que a escola onde a criança estuda tem esse tipo de orientação.

Segundo o estudo, 30% dos consumidores afirmam dar mesada aos filhos ou outras crianças, um aumento de 3 pontos percentuais (p.p.) em relação a 2018. Dentre eles, 84% dão para os filhos e outros 16% para sobrinhos, afilhados, netos e outras crianças.

Ainda dentro dos 30% dos consumidores que dão mesada, 52% o fazem para estimular a educação financeira da criança. Outros 31% dão a mesada para prover recursos para a alimentação da criança, ao passo que 16% dão o valor como forma de recompensa pelo comportamento. 1% dos consumidores afirmam que dão a mesada por outro motivo não especificado.

O levantamento também aponta que 93% dos consumidores que dão mesada usam o dinheiro em espécie, 4% o cartão pré-pago e 3% o cartão de crédito adicional. Dentre os 7% que utilizam o cartão, 60% o fazem por acreditar que se trata de uma boa ferramenta para a organização das despesas e 40% para controlar melhor os gastos dos filhos.

O número de consumidores que afirmam ter o hábito de poupar para os filhos cresceu 8p.p. em relação a 2018, passando de 51% no ano passado para 59% em 2019. Entre os consumidores que poupam, 52% utilizam a poupança, 15% a previdência privada, 9% fundos, ações ou Certificado de Depósito Bancário (CDB), 5% os títulos de capitalização e 19% outros tipos de investimento.

Dentre os 59% dos consumidores que poupam para os filhos, 39% afirmam poupar até R$ 50 por mês, enquanto 61% poupam a partir de R$ 51 todos os meses. Ainda dentre o total de entrevistados que poupam para as crianças, 61% afirmam fazer a poupança pensando nos estudos dos filhos. Para outros 16%, a finalidade de poupar é a casa própria, enquanto para 7% é o tratamento médico. Por fim, 16% poupam com outras finalidades, como aposentadoria, emergências e independência financeira, por exemplo.

A pesquisa, realizada pela Boa Vista, entrevistou cerca de 600 consumidores, em nível nacional, entre os meses de agosto e setembro de 2019. O estudo buscou identificar como os pais inserem o tema Educação Financeira na vida dos filhos e os hábitos de poupar para o futuro. A metodologia utilizada foi a quantitativa, por meio de consulta eletrônica via internet. Para leitura dos resultados, considera-se margem de erro de 4p.p. e 95% de grau de confiança.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor