O ralo continua aberto

O Ministério do Planejamento confirmou o que esta coluna já adiantara: recuperação se deve a política heterodoxa.

Fatos e Comentários / 18:55 - 10 de ago de 2017

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Ministério do Planejamento confirmou, quarta-feira, o que esta coluna já adiantara: o pouco de recuperação da economia brasileira que vivenciamos se deve à adoção de políticas heterodoxas, por mais que isso envergonhe os ortodoxos encastelados no governo. Foi a liberação do FGTS, que contribuirá com 0,61 ponto percentual ao PIB, que impedirá (talvez) que o país sofra com um terceiro ano de recessão – embora uma alta de 0,3% não signifique um alívio. Também ajuda a movimentação da economia o déficit primário, que os ortodoxos tanto combatem.

Mas a injeção desse dinheiro é insuficiente, por si só, para recuperar a economia. Não só por falta de estratégia, mas porque o grande ralo que esteriliza os gastos públicos continua aberto. O resultado nominal do setor público consolidado, que inclui o resultado primário e os juros nominais apropriados, foi deficitário em R$ 51,1 bilhões em junho. No ano, o deficit nominal totalizou R$ 241,8 bilhões (foram R$ 197,1 bilhões no mesmo período de 2016). No acumulado em 12 meses, o deficit nominal – o que realmente conta em qualquer país – alcançou R$ 607,5 bilhões (equivalente a 9,50% do PIB). Tirando os R$ 167 bi do déficit primário em 12 meses, temos R$ 440 bilhões fluindo para o papelório. Não há como fazer mágica.

 

As ditaduras da ‘Folha’

A partir da edição do último sábado, a Folha de S.Paulo passou a designar o regime de Nicolás Maduro na Venezuela como ditadura. “De acordo com o Manual de Redação, o termo se aplica à ‘dominação de uma sociedade por meio de um governo autoritário exercido por uma pessoa ou grupo, com representação e supressão ou restrição de liberdades individuais’.”

E como a mesma Folha trata, por exemplo, a ditadura saudita? “Ah, mas é uma monarquia”, diria o jornalão paulista. Bem, para o site InfoEscola, “monarquia é o nome dado ao regime político comandado por um monarca (rei, imperador, príncipe etc.) que exerce de modo hereditário e vitalício, sem qualquer consulta ao povo”.

O que diz o Santander Trade especificamente sobre a monarquia saudita: “O rei é ao mesmo tempo o chefe do Estado e do governo. A monarquia é hereditária. O Conselho de Ministros (gabinete) é nomeado pelo monarca e é constituído por vários membros da família real. O Conselho de Ministros executa, ao mesmo tempo, os poderes legislativos e executivos, sujeitos à aprovação do rei.”

E continua: “Não há legislatura eleita na Arábia Saudita (…) A população da Arábia Saudita tem seus direitos políticos limitados (…) Nenhum partido político é permitido na Arábia Saudita.”

Deve haver uma diferença entre esta definição e a da Folha para o regime de Maduro, mas é invisível a olho nu. Mais leal seria esclarecer a seus leitores que o jornal trata de forma diferente os governos de países dos quais discorda ideologicamente.

 

Global

Após trabalhar durante 29 anos na Arthur Andersen, empresa de auditoria e impostos, e sair para fundar a Branco Consultores, em 2001, o tributarista Rubens Branco acaba de selar um acordo de cooperação com a Andersen Global para atender clientes em 23 países, além de Brasil. Entre esses países, Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Chile, México, Egito, Bahamas, dentre outros.

 

Rápidas

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, cumpre agenda de candidato (ao governo estadual) e participa do painel “Desafios para o Brasil: a agenda de reformas e a segurança pública no Rio de Janeiro” nesta sexta-feira, às 9h30, no Centro Cultural FGV, em Botafogo, Rio de Janeiro. A abertura do evento será realizada pelo presidente da Fundação, professor Carlos Ivan Simonsen Leal *** A Uerj recebe apoio de parlamentares, do meio acadêmico e da população fluminense no evento #SuperaRioUerj, nesta segunda-feira, no campus do Maracanã, a partir das 16h *** O Caxias Beer Festival chega à quarta edição, desta vez no Caxias Shopping (RJ). Será neste final de semana, para os pais comemorarem seu dia em grande estilo. Além de caminhões com cerveja e comida, haverá shows com bandas tocando pop, rock nacional e MPB *** A segunda edição do Beer Truck Festival no Recreio Shopping (RJ) também será neste final de semana, das 17h às 22h *** Pai, pelo visto, gosta de cerveja *** O diretor-geral da Facha, professor Paulo Alonso, convida para a palestra Reforma Trabalhista, a ser proferida pelo ministro Alexandre Belmonte, do Tribunal Superior do Trabalho, dia 21, às 19h, no Auditório Barbosa Lima Sobrinho, em Botafogo, quando o ministro receberá o título de professor visitante.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor