O meio ambiente e seus reflexos

Direito Ambiental / 14 março 2017

O meio ambiente, devido à importância de suas consequências, está sempre atingido por acontecimentos e pelo grande efeito da natureza, produzindo deslocamentos em sua estrutura que são indispensáveis de serem combatidas, isto porque, exemplificando, o efeito estufa, sua função e a temperatura do planeta em um nível para conservação da vida. Parece contraditório, a Terra seria fria e inóspita se não houvesse as consequências do efeito estufa. Com esta abertura, o que queremos agora demonstrar é que em situações provocadas pela natureza em convivência humana surgiram estudos ambientais sobre a camada de ozônio na Terra, cuja função é proteger o planeta da radiação ultravioleta emitida pelo sol. Inclusive, a camada de ozônio da Terra possui um buraco localizado na região da Antártica, cuja causa principal é a reação do ozônio e seus resultados para o meio ambiente.

Fala-se muito em áreas urbanizadas com temperatura maior em relação às áreas vizinhas. Este fenômeno de calor acontece devido às modificações que o homem realiza no espaço do desenvolvimento de suas atividades. O excesso de construções e seus derivados, como os materiais a elas, destinados logicamente diminui a presença de vegetação nas cidades, o que vem a fazer que ocorra a concentração da temperatura, resultando em camada de calor muitas vezes excessiva. Muito menciona a inversão térmica, este fenômeno natural observado em áreas rurais mais desenvolvidas devido à industrialização. Estas áreas podem gerar efeitos nocivos à saúde.

O que fizemos até agora foi endossar a exposição e tentar demonstrar como fenômenos naturais, incluindo-se deslizamentos de terra, são focos que servem como abertura sobre o tema da sustentabilidade, preservação do meio ambiente e práticas sociais cada vez mais indispensáveis. Como se pode acolher, em um breve resumo, como esses componentes oriundo da própria natureza atuam na estrutura do nosso planeta e no nosso dia a dia, como muito bem realça o site http://guiadoestudante.abril.com.br

Muito fácil concluir que mais uma vez predomina a sustentabilidade, ou seja, a utilização da natureza e devida composição decorrente de seus elementos básicos para compensar o que dela colhemos e o que a ela, Terra, teremos que devolver. Desta simples equação é que entendo que neste aspecto é importante este material produzido e não podemos esquecer por outro lado, que outros fatores atuam no comando da sustentabilidade como muito bem descrito em relação a ciclo do nitrogênio e energia renovável.

Ciclo do nitrogênio – Os ciclos biogeoquímicos são processos naturais em que os elementos químicos transitam entre o meio ambiente e os seres vivos, e o ciclo do nitrogênio é um dos mais importantes deles – o elemento é necessário para que os seres vivos produzam aminoácidos, proteínas e ácidos nucléicos. Apesar de cerca de 78% da atmosfera ser constituída por nitrogênio na forma do gás N2, as plantas são capazes de absorver o nitrogênio apenas sob a forma de íon de amônio (NH4+), íon de nitrito (NO2-) e íon de nitrato (NO3-). Portanto, para a obtenção desses compostos, são realizados processos de fixação, nitificação, desnitrificação e decomposição – que compõem, assim, o ciclo do nitrogênio.

Energia renovável – As tecnologias de energia renovável, ou seja, aquelas obtidas através de recursos naturais como o sol e o vento, vêm crescendo cada vez mais nos últimos anos. A instalação dessas tecnologias, no entanto, ainda é relativamente cara. Além disso, nem todas as fontes renováveis possuem um baixo impacto ambiental, como é o caso das usinas hidrelétricas, que causam o alagamento de extensas áreas para a represagem da água. O Brasil é um dos países que mais utiliza meios renováveis em sua matriz energética: atualmente, 39,4% da nossa energia vem de meios renováveis, enquanto no mundo essa média é de apenas 13,2%.”

Na exposição supra, facilmente decorre uma visão de como os elementos que compõem o planeta atuam em harmonia com seu próprio desenvolvimento.

Desembargador Sidney Hartung Buarque

Mestre em Direito Civil.