Novo Banco reduz prejuízo para 93,1 milhões de euros

Há muitas dúvidas sobre o critério que conduziu a um montante tão elevado.

Mercado Financeiro / 22:22 - 17 de mai de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Novo Banco, de Portugal, registou prejuízos de 93,1 milhões de euros no primeiro trimestre do ano. O valor é muito alto, mas indica um avanço face ao prejuízo de 130,9 milhões de euros registrado no ano passado, de acordo com balanço divulgado nesta sexta-feira pelo banco e comunicado pela agência Lusa.

A instituição –que atua como banco de investimento, Private banking e seguros –vem recebendo muitas críticas do setor. A razão é que o governo emprestou 850 milhões de euros ao Fundo de Resolução para uma injeção de 1.149 milhões de euros no Novo Banco, tendo esta entidade utilizado também recursos próprios, revelou no último dia 10 uma fonte oficial do Banco de Portugal à Lusa.

Há muitas dúvidas sobre o critério que conduziu a um montante tão elevado e que já chegou perto de dois mil milhões de euros em apenas dois anos.

“Em termos combinados o Novo Banco apresentou um prejuízo de 93,1 milhões de euros neste primeiro trimestre de 2019, em linha com o Plano Estratégico e com os compromissos assumidos com as Autoridades Europeias”, divulgou a instituição em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

Herança maldita

 

Presidido por Antônio Ramalho, o Novo Banco reportou resultado líquido positivo de 85,4 milhões de euros antes de impostos, mas o legado do banco, decorrente do antigo Banco Espírito Santo (BES), registou um prejuízo de 142,0 milhões de euros.

O Novo Banco foi fundado em 4 de agosto de 2014, após uma intervenção de emergência do Banco de Portugal para salvar os ativos bons do anteriormente BES.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor