Novas exportações da Embraer, Marcopolo, Mercedes e Scania

Financiamento de US$ 370 milhões pelo BNDES Exim Pró-Embarque.

Mercado Financeiro / 22:56 - 17 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai destinar mais de US$ 370 milhões em quatro grandes projetos através do programa BNDES Exim Pró-Embarque. Divulgados no final da tarde de sexta-feira, os números se referem aos financiamentos para a American Airlines (US$ 285 milhões), Marcopolo, Mercedes (até U$ 70 milhões voltados à exportação de 258 ônibus para o Chile) e Scania (US$ 15 milhões).

Os desembolsos se no Brasil, para as empresas exportadoras, pelo valor da moeda contratual (o dólar) convertido pelo câmbio do dia, informou o BNDES. O banco de fomento aprovou as quatro operações para exportações de aviões, ônibus e caminhões em dezembro do ano passado. “Com estes financiamentos, o banco contribui para a manutenção de 38 mil empregos no Brasil”, disse o BNDES em comunicado.

Somente a operação firmada para exportação de 11 aeronaves para a American Airlines, nos Estados Unidos, preservará 18 mil empregos de alta qualificação na Embraer. Outros 17 mil trabalhadores seguirão em seus postos graças ao apoio às montadoras Marcopolo e Mercedes, que exportarão 258 ônibus para o Chile. E vale destacar que o financiamento à Scania para fabricação de ônibus e caminhões ao mercado peruano manterá em atividade três mil trabalhadores da unidade industrial de São Bernardo do Campo/SP.

De acordo com o comunicado, um outro aspecto também levado em conta pelo BNDES é o fortalecimento da indústria brasileira exportadora, gerando renda e emprego no país, além de aumentar sua competitividade em um contexto de acirramento da concorrência global. O financiamento à exportação de aviões para a American Airlines possibilita a manutenção da liderança da Embraer no mercado norte-americano de aeronaves regionais - que é um setor rentável, tecnológico e com emprego de mão de obra qualificada.

No caso da Scania, fomentar a produção de ônibus e caminhões aumenta a capacidade instalada da indústria e consolida a empresa brasileira no concorrido mercado peruano de carrocerias. Situação semelhante fez com que o BNDES apoiasse a ampliação da presença da Marcopolo e da Mercedes no Sistema de Transporte Urbano da cidade de Santiago, no Chile, que já utiliza ônibus de fabricação brasileira.

 

Embraer

 

O BNDES aprovou o financiamento à exportação de 11 aeronaves modelo E175, de fabricação da Embraer, para a American Airlines. O financiamento de até US$ 285 milhões corresponde a 85% do investimento total do projeto (US$ 335,3 milhões). “O empréstimo ajuda a manter a liderança dos aviões produzidos no Brasil no mercado norte-americano de aeronaves regionais. Diante da competitividade internacional – como Bombardier, Airbus e Mitsubishi - o investimento do BNDES se torna relevante para o contínuo desenvolvimento e comercialização das aeronaves Embraer”, destacou o comunicado.

Sobre as operações de financiamento à Marcopolo e à Mercedes do Brasil para a exportação de até 258 ônibus fabricados no Brasil, os veículos serão destinados ao Sistema de Transporte Urbano da cidade de Santiago, no Chile. As operações vão aumentar a capacidade instalada nas duas empresas, e o valor total dos financiamentos pode chegar a US$ 70,7 milhões.

A concessão de financiamento de até US$ 15 milhões à Scania Latin America para exportação de ônibus completos e caminhões a diversos importadores no Peru tem o objetivo de aumentar a capacidade instalada da fábrica da empresa no ABC Paulista, o que significa três mil postos de

 

Linha de financiamento

 

O programa BNDES Exim Pós-Embarque possui duas modalidades: Supplier Credit e Buyer Credit. Na modalidade Supplier Credit, o exportador concede ao importador um financiamento por meio de carta de crédito ou títulos. Após a exportação do bem ou serviço, os títulos recebidos pelo exportador são cedidos ao BNDES, que realiza o desconto desses títulos, liberando ao exportador (aqui mesmo no Brasil) o valor à vista em reais e recebendo do importador a prazo, na moeda contratual.

Já na modalidade Buyer Credit, o exportador, após firmar contrato com o importador para entrega futura de bens ou serviços, solicita financiamento do BNDES, que deverá firmar contrato com o importador. Somente após aprovação da operação, o bem ou serviço é entregue e os recursos são liberados para o exportador (também aqui no Brasil).

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor