Negócios como de costume

Até agora não foi aberta investigação oficial sobre as denúncias da Vaza Jato.

Fatos e Comentários / 19:34 - 15 de jul de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O jornalista Kennedy Alencar diz ser impressionante como não foi aberta até agora uma investigação oficial para apurar as denúncias feitas pelo The Intercept Brasil contra a Família Lava Jato. Realmente, o que prevalece nos órgãos que deveriam apurar – caso da Polícia Federal e do Conselho Nacional do Ministério Público – é um ensurdecedor silêncio, para usar um lugar-comum.

Basta Sergio Moro e os procuradores da Lava Jato dizerem que não se lembram dos diálogos nem reconhecem a veracidade de conversas, que eles acusam de terem sido obtidas ilegalmente, para tudo seguir como sempre. Business as usual, diriam os envolvidos – aliás, a se confirmarem as denúncias que vieram à tona desde o final de semana contra Deltan Dallagnol e sua indústria de palestras, haja business.

Na noite desta segunda-feira, o jornalista Reinaldo Azevedo divulgou novos trechos dos diálogos da Vaza Jato. Segundo as mensagens, de 16 de janeiro de 2016, Dallagnol pediu a Sergio Moro a destinação de valores da 13ª Vara, para produzir um vídeo contra a corrupção, pelas dez medidas, que seria veiculado na Globo. Moro teria respondido no dia seguinte: “Se for uns 38 mil [reais], acho que é possível. Deixa eu ver na terça e te respondo.” O diálogo não revela como o vídeo seria divulgado pela Globo, nem o que a emissora ganharia em troca.

A comparação é pertinente: por muito menos, Moro condenou dezenas denunciados por Dallagnol e sua turma. Se como ministro, o ex-juiz age com corporativismo, cabe ao Supremo deixar a letargia e tomar alguma postura firme. Por enquanto, a posição que fica é de que os fins justificam os meios; até chegar o momento em que não serão necessários fins, restando apenas os meios.

 

Lanterna

Segundo o levantamento Brazil Digital Report de 2019, da consultoria McKinsey, a produtividade brasileira evoluiu muito pouco em quase três décadas. O ganho anual de produtividade no Brasil entre 1990 e 2018 foi de apenas 1,3%. Como base de comparação, na China este ganho foi de 8,8% ao ano no período, enquanto que na Índia foi de 5%, e no Chile, nosso vizinho latino-americano, foi de 3%.

 

Aperto

Desde 4 de julho, o Estado do Rio de Janeiro passou a exigir a implantação de programa de compliance para conceder benefícios fiscais. “O condicionamento da concessão do benefício à quem tem o programa de integridade constituído é uma forma de privilegiar empresas já estão engajadas no combate à corrupção e uma maneira indireta de fomentar a adesão ao programa pelas demais”, defende o advogado Yuri Sahione e Presidente da Comissão de Compliance do Conselho Federal da OAB.

De acordo com a legislação, a exigência não é válida para pequenas ou médias empresas, com faturamento anual abaixo de R$ 4,8 milhões. O Rio é pioneiro no assunto.

 

Maravilhosa

O programa “Conheça o Rio a pé”, uma promoção da Associação dos Embaixadores de Turismo do Rio de Janeiro, do Portal Consultoria em Turismo Bayard Boiteux e da Escola Técnica de Turismo Cieth, realiza mais uma caminhada gratuita, na próxima sexta-feira.

Com o apoio da Sergio Castro Imóveis e da Fundação Cesgranrio, os participantes poderão conhecer o Largo do Machado e arredores, durante aproximadamente duas horas, acompanhados de um guia de turismo especialista na região. Para participar, é preciso fazer a inscrição prévia em cieth.com.br

 

Os perdulários

A reforma da Previdência corta as pensões de viúvas acima de um salário mínimo. Já as pensões dos militares e alguns altos funcionários – inclusive de filhas solteiras, como Maitê Proença – seguem firmes e fortes. Legais, diga-se de passagem. Mas moralmente indefensáveis.

 

Rápidas

A Divisão de Cirurgia Plástica do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle (Unirio) realiza dia 20, às 9h, o Fórum de Atualização em Feridas. Entre os convidados, o cirurgião Marco Aurélio Pellon, integrante da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, e a cirurgiã Maria Helena Rabay *** O Caxias Shopping, em parceria com o projeto Apaixonados por Quatro Patas, realizará neste sábado mais uma edição da campanha solidária de adoção e vacinação de cães e gatos, das 10h às 16h. No primeiro semestre, foram adotados 141 animais no Busucão *** Eduardo Rieche encena Inquieto Coração, às terças e quartas, às 19h, no mesmo palco da Casa Laura Alvim (RJ) onde estreou a peça há dez anos.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor