Não adianta culpar só a economia

Conversa de Mercado / 16 Março 2018

É muito fácil falar que todo problema de rentabilidade das empresas está somente relacionado à conjuntura econômica desfavorável, crise política etc. Agora em que o momento é de retomada, as mazelas se tornam mais evidentes. Ainda mais diante do crescente interesse de investidores estrangeiros em aportar recursos aqui. O despreparo ocorre desde compliance e governança a, pasme, controles básicos como a contabilidade. De acordo com o levantamento realizado pela Okto Finance, consultoria especializada em operações de fusões e aquisições (M&A), mais da metade dos processos deste tipo (55%) morre durante a fase de diligência (due diligence) ou logo depois, em consequência de informações obtidas durante a análise. Neste período, o comprador avalia se os dados fornecidos pelos dirigentes da empresa são realmente fidedignos.

A pesquisa, que abrangeu 150 investidores, apontou que 55% das operações acabam em desistência por problemas como a registros contábeis errôneos, questões fiscais e trabalhistas e até a falta de contratos formais. “Em muitos casos, os vendedores julgam que alguns problemas são irrelevantes e acham que poderão ser acomodados nas etapas finais do processo”, explica o especialista em M&A e diretor da Okto Finance, David Denton. A contabilidade é apontada pelos investidores como a maior responsável pelas desistências durante a diligência (52%). “Muitos esqueletos tendem a aparecer nesta fase. Já tivemos casos em que o contador lançou despesas operacionais como despesas financeiras. Isto provocou o cálculo de um Ebitda errado. Quando isso foi revelado, a negociação tornou-se inviável. Nenhum investidor gosta de ser surpreendido na due diligence por fatos negativos que não foram apresentados durante a negociação, que sempre é longa”, diz.

Dentre os problemas da contabilidade enumerados pelos investidores entrevistados, além dos lançamentos equivocados, estão a falta de registro de operações, passivos trabalhistas e fiscais e ausência de contratos formais. “Vemos poucas empresas que têm uma contabilidade organizada e, sem números claros, o negócio não fecha. Isso acontece mesmo com empresas maiores, com faturamento superior a R$ 100 milhões”, explica Denton. A economia, que nos últimos anos foi apontada como a grande vilã, acaba sendo um fator secundário neste sentido. Apesar da forte queda do PIB e dos altos e baixos, o cenário macroeconômico responde por pouco mais de 12% das desistências.

Ainda são enumeradas pela pesquisa questões como a composição da carteira de clientes, desistência do devedor e problemas societários. “Esse processo inicial é a fase em que todas as qualidades são enaltecidas e profundamente exploradas. O vendedor sempre acha que o comprador não vai desistir depois de tanto trabalho e tanta negociação, e que os pontos positivos vão suplantar aqueles pequenos problemas”, diz Denton. A falta de controles e governança corporativa afeta todos os tamanhos de empresas até mesmo as de capital aberto, vide o caso da BRF, e também prejudica o desempenho do mercado financeiro. Em entrevista à Revista RI, que na edição de março completa 20 anos, o presidente da Amec, Mauro Cunha, explica que os IPOs no Brasil ocorrem apenas em janelas de oportunidade, o que não é saudável. “O apressamento em abrir o capital gera a governança superficial. Este é um dos motivos de o mercado se desenvolver menos do que deveria”, afirmou.

Segundo os dados apresentados na reportagem da RI, hoje existem somente 344 empresas listadas na B3. O número era superior a 500 em 1998. Em economias de tamanho similar à brasileira, o número fica na casa dos milhares, e uma conta simples mostra como o mercado é atrofiado. Segundo a Econodata, das mais de 21 milhões de empresas nacionais, cerca de 95% são de pequeno porte, ou seja, mais de 1 milhão exibe tamanho razoável. Se 1% deste total tivesse acesso mais fácil ao mercado, o Brasil teria ao redor de 10 mil companhias abertas listadas. Culpar a economia é fácil. Difícil é arrumar a casa para obter aportes de investimentos e crescer.