Advertisement

Mudanças nas classes CDE vieram para ficar

No mês passado, a coluna divulgou alguns dados do livro O Brasil mudou mais do que você pensa: um novo olhar sobre as...

Fatos & Comentários / 01 Outubro 2018

No mês passado, a coluna divulgou alguns dados do livro O Brasil mudou mais do que você pensa: um novo olhar sobre as transformações das classes CDE (Editora FGV). Esta avanço ocorreu em várias áreas. Em 1995, pré-escola, ensino médio e superior eram realidade apenas para classes AB. Em 2015, o acesso à educação para crianças e jovens das classes DE supera o patamar de 80%; para crianças entre 6 e 14 anos, o atendimento escolar chegou a 98%, revelam pesquisadores Lauro Gonzalez, Mauricio de Almeida Prado e Mariel Deak, do Centro de Estudos em Microfinanças e Inclusão Financeira da FGV (GVcemif) e do Instituto Plano CDE.

Os últimos 20 anos foram de profundas mudanças na área socioeconômica para a população brasileira. Na habitação, houve aumento de mais de 100% nas residências de 3 a 5 cômodos das classes CDE. Ao mesmo tempo, diminuição de mais de 30% nas residências de 1 a 2 cômodos. Durante o período, nas classes DE, a presença de geladeira passou de 40% para pouco mais de 90%. Já na classe C, esse percentual foi de quase 70% para 95%. A máquina de lavar praticamente não estava na casa dos brasileiros em 1995, enquanto que em 2015, esse número já estava em 35%. Em 1995, 10% da classe C tinha uma máquina de lavar, e em 2015 mais de 50% já possuíam o produto.

No segmento financeiro, cresceu o número de adultos com algum tipo de relacionamento com o sistema bancário. Em 1995, o crédito representava menos de 25% do PIB. Em 2015, a despeito da crise, o volume de crédito representava 46% do PIB. Os trabalhos dos pesquisadores mostram mudanças positivas pouco conhecidas de grande parcela da população. Na visão dos organizadores do livro, a crise atual, embora traga desalento e tenha efeitos conjunturais negativos, não altera o fato de que novos patamares foram alcançados pelas classes CDE nas últimas décadas.

 

Pressão no real

O Banco Central Europeu deverá dar continuidade aos planos para normalizar a política monetária na União Europeia. As compras de títulos serão reduzidas até dezembro. O mesmo deverá ocorrer com o reinvestimento dos títulos que forem vencendo. Em seguida, o BCE elevará a sua taxa básica de juros. Finalmente, reduzirá sua carteira de títulos.

Esta é a análise feita pela Mapfre Investimentos, a partir da expectativa de aumento da inflação na União Europeia, que já supera a meta perseguida pela autoridade monetária por conta da alta do preço do petróleo. Mesmo o núcleo da inflação, sem preços de alimentos e de energia, deve caminhar em direção à meta, chegando a 1,8% até 2020.

O que isso pode significar para o Brasil? Tirando o quadro político, existem “vetores mais condizentes com depreciação da moeda brasileira. Nesse contexto, a moeda brasileira tenderá à desvalorização independentemente do próximo presidente a ser eleito”, projeta a Mapfre.

 

Semana de atividades

Sob o tema “Mercado de Trabalho: novos caminhos, novas possibilidades”, a Facha realizará semana que vem, nos campus de Botafogo e Méier, a III Semana Acadêmica, com as participações de especialistas em áreas como Administração, Jornalismo, Publicidade, Direito, Cinema, Recursos Humanos, Turismo e Relações Públicas, dentre outras. Serão realizadas mais de 30 atividades gratuitas entre painéis, rodas de conversa e oficinas, além de apresentações culturais.

No Campus Botafogo, a abertura do evento, dia 8, às 9h, abordará o tema “Mulheres no Brasil, Aborto e Feminicídio”. Seguem-se,até dia 11, painéis sobre Concursos Públicos, Marketing de Influência, Mercado Cultural, Cinema, Turismo, Vídeos na Web e Eventos. No dia 11 acontece roda de conversa sobre “Os Novos Endereços de Emprego para os Estudantes de Comunicação”. A noite será encerrada com o Papo de Samba: Paulinho do Cavaco e convidados.

No Campus Méier, dia 8, às 19h, haverá a oficina “Propósito: sentidos do trabalho e da carreira”. No dia seguinte, será abordado o tema “Diversidade no Mercado de Trabalho em Jornalismo”. À noite, acontecerá a roda de conversa sobre Mudanças Disruptivas.

A programação completa está no site da Facha www.facha.edu.br

 

Rápidas

A Epson anunciou três executivos no Brasil: Glauco Ferreira é o novo diretor de Vendas no Canal de Distribuição; Claudio Galante assume a gerência de Negócios; e Denise Franciscato é a nova chefe de Recursos Humanos *** A Banda Certa voltará ao Caxias Shopping nesta sexta-feira, às 19h30.