MP investiga Carlos Bolsonaro em esquema idêntico ao do irmão Flávio

Vereador, filho 02 é acusado de contratar funcionários fantasmas e praticar a 'rachadinha'.

Política / 23:18 - 11 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Ministério Público do Rio de Janeiro instaurou dois procedimentos para apurar denúncias de contratações de funcionários fantasmas e a suspeita da prática de rachadinha – apropriação indevida de salários de servidores – no gabinete do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro. A suspeita é semelhante a que envolve o irmão mais velho de Carlos, o senador Flávio Bolsonaro, que também teria contratado funcionários fantasmas e feito uso de um esquema parecido por meio do ex-assessor Fabricio Queiroz. 
Reportagem da revista Época revela que as investigações foram abertas após a divulgação, em julho, de que Carlos teria contratado sete parentes da ex-mulher de Jair Bolsonaro e sua madrasta, Ana Cristina Valle. Na ocasião, dois deles teriam reconhecido que apesar de terem sido nomeados para atuarem no gabinete jamais trabalharam no local.
 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor