Moura Dubeux estreia na B3 movimentando R$ 1,25 bi

Incorporadora é a segunda empresa de Pernambuco listada na bolsa paulista.

Mercado Financeiro / 22:40 - 13 de fev de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A incorporadora pernambucana Moura Dubeux fez a sua estreia na B3, nesta quinta-feira, com a oferta pública inicial de ações (IPO) no segmento Novo Mercado com o ticker MDNE3. A oferta de ações movimentou R$ 1,25 bilhão. Foram coordenadores do IPO os bancos Itaú BBA, Bradesco BBI, Credit Suisse, BB Investimentos e Caixa Econômica Federal.

A Moura é a segunda empresa de Pernambuco listada na B3, ao lado da Ser Educacional. As empresas com ações negociadas na bolsa são, em sua maioria, do eixo Sul-Sudeste. “A oferta da Moura Dubeux mostra a força desse segmento no mercado de capitais. Nos últimos 12 meses a B3 foi palco de 10 ofertas subsequentes do setor de construção que movimentaram R$ 6,8 bilhões, com uma participação expressiva de investidores pessoas físicas”, afirmou Gilson Finkelsztain, presidente da B3.

Diego Villar, CEO da Moura, disse que a história da empresa é de resiliência. “Essa conquista mostra o DNA de superação do povo nordestino”, declarou o executivo. Com a realização de seu IPO, a Moura Dubeux passa a ser a 142ª empresa listada no Novo Mercado, segmento que exige a adoção das mais elevadas práticas de governança corporativa, transparência e acesso às informações pelos investidores. A ação da empresa foi precificada em R$ 19, no centro da faixa indicativa de preço, que ia de R$ 17 a R$ 21. A oferta foi integralmente primária, ou seja, todos os recursos engordarão o caixa da companhia.

 

Expansão

 

Conforme apurou o Broadcast, o plano da incorporadora é expandir os lançamentos anuais gradualmente, saindo do patamar de R$ 400 milhões em 2019 para R$ 1,5 bilhão em 2025, com foco principal em Recife, Salvador e Fortaleza, e secundário em Maceió e Natal. Se isso se confirmar, a Moura Dubeux vai se consolidar como a maior construtora residencial do Nordeste, ocupando o espaço deixado pela Odebrecht, de Salvador (BA), e por companhias tradicionais do Sudeste, como Cyrela e Rossi, que desistiram de atuar na região.

A receita líquida da incorporadora nos primeiros noves meses de 2019 foi de R$ 311,1 milhões, um pouco abaixo da receita de R$ 315,9 milhões vista no mesmo período de 2018. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado foi de R$ 95,8 milhões de janeiro a setembro de 2019, ante R$ 12,541 milhões no mesmo intervalo de 2018.

Fundada em 1983 pelos irmãos Aluísio, Gustavo e Marcos Moura Dubeux em Recife, a incorporadora Moura Dubeux detém um completo e variado portfólio de empreendimentos, que vão de imóveis econômicos até hotéis e unidades de alto padrão, localizados nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte. Em 2006, a Moura Dubeux lançou a marca Vivex, focada em imóveis de médio padrão. Com o IPO, a companhia torna-se a primeira incorporadora com atuação regional a ter ações negociadas na B3.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor