Modalmais - Fechamento 19.09: perdendo tração

Ainda há risco geopolítico alto por conta das sanções que os EUA e Reino Unido podem impor ao Irã.

Opinião do Analista / 11:11 - 20 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Investidores ajustam posições para as mudanças ocorridas na semana. A situação do petróleo acalmou bem desde o início da semana, com o retorno da produção plena da planta da Aramco até o final do mês. Mas ainda há risco geopolítico alto por conta das sanções que os EUA e Reino Unido podem impor ao Irã. Investidores também adequam para as mudanças na política monetária pelos EUA e contração da liquidez no curto prazo, com o Fed interferindo na compra de títulos pelo terceiro dia seguido, injetando US$ 225 bilhões.

Ao longo do dia, os mercados acionários perderam tração e até mostraram comportamento negativo mais para o final da tarde. Preocupação com notícia de que os EUA podem estender tarifação contra a China até 100%, na hipótese de não acordo. Estressou o fato de a União Europeia indicar que poderia retaliar os EUA com tarifação, caso haja endurecimento das relações.

Ainda nos EUA, o índice de atividade industrial da Filadélfia de setembro caiu para 12 pontos, de previsão de ficar em 9,2 pontos. As vendas de imóveis usados de agosto cresceram 1,3%, de previsão de queda de 1,1%. O índice de indicadores antecedentes de agosto permanece estável e os peidos de auxílio-desemprego cresceram 2 mil posições para 208 mil. O parlamento da Áustria é que aprovou resolução obrigando o governo a vetar acordo entre a União Europeia e o Mercosul.

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em Nova Iorque mostrava leve alta de 0,15%, com o barril cotado a US$ 58,20. O euro era transacionado em alta para US$ 1,105 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,77 em queda. O ouro e a prata em quedas na Comex e commodities agrícolas encerrando com viés de queda na bolsa de Chicago. O dia foi novamente de grande queda do minério de ferro em Qingdao, perdendo 3,31% e a tonelada cotada a US$ 9323.

No Brasil, a Fitch (uma das três maiores agências de classificação de risco) comentou sobre a posição fiscal frágil do Brasil. Destacou a dívida pública que atinge 80% do PIB e o orçamento de 2020 com déficit da Previdência de 3,0% do PIB. Divulgou ainda sobre a alta taxa de desemprego e consumo avançando pouco. Apesar disso, indica que as reformas vão na direção correta, mas o problema é a execução. Reforçou ainda a baixa formação bruta de capital fixo (FBCF) que teoricamente prepara o futuro.

O governo deve descontingenciar do orçamento cerca de 13 bilhões, beneficiando o Ministério da Educação. O relator da reforma tributária acha boa a ideia de comissão mista para avaliar o texto. Simone Tebet acha possível votar a reforma da Previdência em segundo turno até 10 de outubro. O relator da Previdência, Tasso Jereissati, avalia emendas na PEC, mas até o momento tem descartado quase todas.

No mercado, dia de DIs com comportamento de queda para os títulos mais líquidos, depois da decisão do Copom de cortar a Selic para 5,5%. E o dólar com alta forte de 1,44% e cotado a R$ 4,163. Na Bovespa, na sessão de 17 de setembro, os investidores estrangeiros voltaram a alocar recursos no montante de R$ 573,8 milhões, deixando setembro positivo em R$ 938,8 milhões e o ano de 2019 ainda bem negativo com saídas líquidas de R$ 20,3 bilhões.

No mercado acionário, dia de alta da bolsa de Londres de 0,58%, Paris com +0,68% e Frankfurt com +0,55%. Madri e Milão com altas de respectivamente 1,08% e 0,82%. No mercado americano, dia de Dow Jones com -0,20% e Nasdaq com +0,07%. Empresas expostas à China derrubaram o Dow Jones no meio da tarde. Na Bovespa, mercado virando para queda de 0,18% e índice em 104.339 pontos.

Na agenda desta sexta, a FGV mostra a confiança da indústria de setembro. Na Alemanha, a inflação pelo PPI (Atacado). Na Zona do Euro, a confiança do consumidor. Nos EUA, discurso de Rosengren do Fed de Boston. Fed anuncia novo leilão de recompra de títulos.

.

Alvaro Bandeira

Economista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor