Modalmais - Fechamento 10.09: investidores realizam lucros recentes

Bovespa foi salva de uma queda pior pelas ações de Petrobras, Vale e siderúrgicas.

Opinião do Analista / 11:11 - 11 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Nesta terça, a atenção dos investidores esteve voltada para o Brexit. No mercado local os investidores avaliaram a tramitação da reforma da Previdência e a nova CPMF que agora se chama "contribuição sobre pagamentos". A Bovespa foi salva de uma queda pior pelas ações de Petrobras, Vale e siderúrgicas. Petrobras por conta de leilão e corte de produção da Arábia Saudita. Vale por mais um dia de aumento do minério na China e siderúrgicas pelo mesmo motivo.

No exterior, o presidente do Banco Central inglês (BoE), Mark Carney, declara que o Fed tem espaço para reagir à desaceleração econômica com ferramentas de política monetária. Afirmou ainda que o Brexit duro seria negativo para o crescimento econômico e inflação estourando em alta. Segundo ele, juros negativos não são opção para o Reino Unido. Mas o Brexit segue sem solução, com Boris Johnson declarando que não quer pedir adiamento de prazo para a União Europeia.

Nos EUA, Trump disse que os chineses estão perdendo milhões de empregos, mas que as conversas devem ser retomadas na próxima semana. Trump anunciou pelo Twitter https://twitter.com/realdonaldtrump a demissão de John Bolton da Secretaria de Segurança Nacional. O secretário do Tesouro, Steve Mnuchin, disse que a disputa com a China não afeta a economia de US$ 22 trilhões e indicou que a questão agrícola estará no topo das discussões. Falou que existe grande sintonia de pressão total contra o Irã.

No mercado internacional, depois de várias sessões em alta, o petróleo teve dia de realização do WTI em Nova Iorque, com queda de 0,97%, com o barril cotado a US$ 57,29. O euro era transacionado em leve queda a US$ 1,104 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros em alta para 1,70%. O ouro em queda e a prata em alta na Comex e commodities agrícolas com comportamento de alta na Bolsa de Chicago. O minério de ferro registrou alta na China de 0,27% com a tonelada em US$ 93,22.

No cenário local, no âmbito político, os líderes do Senado querem cumprir o prazo regimental para votar a reforma da Previdência. Alcolumbre quer tentar votar em 1º turno no dia 18 de setembro. Tasso Jereissati quer mudar seu relatório para facilitar a votação. Tivemos declarações polêmicas dos filhos de Bolsonaro que repercutiram. Carlos Bolsonaro publicou no Twitter "que a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade almejada por 'vias democráticas'." Alcolumbre disse que despreza a declaração.

Porém, o que mais repercutiu foi a nova CPMF (contribuição sobre pagamentos) com alíquotas de 0,2% para débitos e créditos e de 0,4% para saques e depósitos em dinheiro. Repercutiu ainda a implementação do Imposto de Valor Agregado (IVA) que embutiria PIS/COFINS. Ao mesmo tempo, o governo acena com desoneração progressiva da folha de pagamentos. O presidente da Câmara diz que a CPMF tem muito pouco apoio entre os parlamentares.

Na economia, tivemos a primeira prévia do IGP-M de setembro com deflação de 0,60% (anterior em -0,65%), acumulando no ano inflação de 3,47% e em 12 meses com 2,75%. Matérias primas brutas registraram queda de 2,37%. O IBGE anunciou estimativa da safra de grãos de 2019 em 239,8 milhões de toneladas com expansão de 5,9%. Divulgou que a produção industrial de São Paulo encolheu 1,4% em julho e contra igual período anterior com queda de 2,7%. A produção de julho encolheu em 8 de 15 locais pesquisados.

No mercado, dia de DIs com juros em alta para vencimentos mais líquidos e o dólar com queda de 0,07% e cotado a R$ 4,096. No mercado internacional, alta da Bolsa de Londres de 0,44%, Paris com +0,08% e Frankfurt com +0,35%. Madri fechou com alta de 0,70% e Milão em queda de 0,55%. No mercado americano, o Dow Jones com +0,26% e Nasdaq com -0,04%. Na Bovespa, dia de queda de -0,14% e índice em 103.031 pontos.

Na agenda desta quarta, teremos o IPC da primeira quadrissemana de setembro, as vendas no varejo de julho e fluxo cambial da semana anterior. Nos EUA, sai a inflação medida pelos preços no atacado de agosto.

.

Alvaro Bandeira

Economista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor