Advertisement

Modalmais - Fechamento 10.06: investidores cautelosos

Bovespa operou quase todo o dia no negativo; dólar abriu em alta e alta também para os DIs.

Opinião do Analista / 11:09 - 11 de Jun de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Enquanto os mercados de risco no exterior registraram boas performances na sessão de hoje, o quadro foi diferente com a Bovespa operando quase todo o dia no campo negativo, dólar abrindo em alta e alta também para os DIs. Com o correr do dia, a situação foi melhorando ao ponto da Bovespa mostrar breve alta na parte da tarde.

No exterior, a explicação ficou por conta de os EUA terem suavizado a imposição de tarifas sobre a China (alongou prazo para 15 de junho) e ter suspendido a aplicação de tarifa sobre o México de 5% que ocorreria a partir de hoje. O secretário de relações exteriores do México. Marcelo Ebrard. explicou que o acordo com os EUA não inclui a compra de produtos agrícolas como disse Trump, e que se tarifas fossem aplicadas, o PIB do México seria impactado em 1,1%.

Trump voltou a falar sobre a China dizendo que vão fechar acordo, pois o país está ficando devastado, com empresas deixando a China para outras partes e que as tarifas dão tremenda vantagem para os EUA. Apesar disso, a China mostrou superávit de US$ 41,6 bilhões em maio e reservas externas em US$ 3,1 trilhões. No Japão, o presidente, Kuroda, deu entrevista dizendo que o país tem mais medidas de estímulo para serem adotadas, mas é preciso cuidado.

No mercado, o petróleo WTI negociado em Nova Iorque mostrava queda de 1,28%, com o barril cotado a US$ 53,30, depois de ter vazado para cima US$ 54. O euro era transacionado em leve queda para US$ 1,131 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros em forte alta para 2,14%. Na parte da tarde, os mercados cederam depois de noticiado que um helicóptero tinha caído no topo de um edifício em Manhattan. Pouco da "síndrome" de 11 de setembro.

Os investidores no Brasil adotaram posição mais cautelosa, em função da notícia de comunicação vazada entre o atual ministro Sérgio Moro e Dalton Dallagnol pelo site Intercept. A oposição aproveitou para fazer intenso barulho, principalmente nas redes sociais. O ministro Moro disse que as mensagens estão fora do contexto e que não houve desvio de conduta. De qualquer forma, é preciso esclarecer essa situação. O ruim é que tira o foco da discussão da semana que é a entrega do relatório da reforma da Previdência, agora marcado para a próxima quinta-feira, dia 13 de junho. A entrega ocorrerá depois da reunião de governadores.

A pesquisa Focus veio mais fraca com inflação prevista para 2019 com 3,89% e PIB caindo para 1%, de anterior em 1,13%. A produção industrial prevista encolheu para 0,47% (de 1,49%) e saldo da balança comercial encolhendo para superávit de US$ 50,14 bilhões. Aliás, o saldo da balança comercial na primeira semana de junho mostrou superávit de US$ 1,08 bilhão, deixando o resultado do ano positivo em US$ 23,2 bilhões.

A Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) divulgou que o fluxo nas estradas de maio cresceu 0,4% com ajuste, mas veículos pesados encolheram 1,8%. Porém, no ano, o fluxo de veículos pesados mostra alta de 7,9%. No mercado, os DIs tiveram dia de queda dos juros para os principais vencimentos e o dólar fechou com +0,18% e cotado a R$ 3,884. Na Bovespa, na sessão de 6 de junho, os investidores estrangeiros retiraram R$ 533,6 milhões, deixando o saldo negativo de junho em R$ 2,7 bilhões e o ano com saídas líquidas de R$ 6,3 bilhões.

No mercado acionário, dia de alta da Bolsa de Londres de 0,59%, Paris com +0,34% e Frankfurt não operou por conta de feriado. As Bolsas de Madri e Milão tiveram dia de altas de respectivamente 0,63% e 0,61%. No mercado americano, o Dow Jones fechou com +0,30% e Nasdaq com +1,05%. A Bovespa encerrou com queda de 0,36%, índice em 97.466 pontos, com o setor bancário pesando pela perspectiva de que o governo voltará a ampliar a alíquota de Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) para 20%.

Na agenda desta terça, teremos o IPC da Fipe da primeira quadrissemana de junho e a prévia do IGP-M do primeiro decêndio. Sai ainda estimativa de safra agrícola pelo IBGE. Nos EUA, a confiança do pequeno empresário e a inflação pelo PPI (Atacado) de maio. Durante a noite na China, a inflação no atacado e pelos preços ao consumidor de maio.

.

Alvaro Bandeira

Economista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor