Modalmais - Abertura 9.10: humor melhor

Mercados abrem com humor melhor e boas expectativas sobre acordo nos EUA e também sobre o Brexit.

Opinião do Analista / 11:23 - 9 de out de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Ontem foi mais um dia de mercados fracos em todo o mundo, que sucumbiram ao noticiário negativo local, com estresse externo importante dos investidores em relação ao acordo entre americanos, chineses e Brexit. A Bovespa no final da sessão fechou próxima da mínima do dia, com queda de 0,59% e índice novamente abaixo dos 100 mil pontos, em 99.981 pontos. O Dow Jones, foi ainda pior com queda de 1,19% e Nasdaq com -1,67%.

Hoje, mercados começam o dia com humor melhor e boas expectativas sobre acordo nos EUA e também sobre o Brexit, petróleo em alta no exterior e boas expectativas sobre discussões da cessão onerosa entre governadores e Governo Federal, no segmento local.

Bolsas da Europa abrem o dia em alta, futuros do mercado americano também no campo positivo e aqui podemos acompanhar essa performance. No final da semana, alertamos que a perda do patamar de 101 mil pontos do Ibovespa poderia provocar queda até próxima do patamar de 98 mil pontos, e já chegamos quase lá.

Amanhã, tem início a reunião entre os principais negociadores americanos e chineses sobre área comercial e propriedade intelectual, e a China aparentemente aceita negociar, mesmo com a vigência temporária da lista de restrições imposta pelos EUA para entidades e pessoas. Além disso, mostrou que pode comprar mais US$ 10 bilhões em produtos agrícolas americanos.

Na União Europeia, o noticiário produzido pelo The Times indica que podem fazer concessões para ter o Brexit e isso anima os investidores. Ocorre que o prazo está expirando e uma definição de postura é requerida até 19 de outubro. Nos EUA, os senadores pedem revisão de aquisições feitas pela JBS e a ata do Fed pode mostrar maior complacência com juros e também em termos de flexibilização monetária.

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em Nova Iorque mostrava alta de 0,99%, com o barril cotado a US$ 53,15. O euro era transacionado em alta para US$ 1,098 e notes americanos de 109 anos com taxa de juros de 1,55% em boa alta, mostrando apetite renovado para riscos. O ouro e a prata operavam em alta na Comex e commodities agrícolas em alta na Bolsa de Chicago.

Aqui, a Petrobras e governo devem se beneficiar de três leilões de petróleo em menos de um mês (basicamente no pré-sal), que devem gerar recursos da ordem de R$ 237 bilhões, sendo R$ 120 bilhões em ressarcimento de investimentos e R$ 117 bilhões em bônus de assinatura. O primeiro leilão está previsto para amanhã.

O governo também quer dolarizar os contratos de concessão de infraestrutura e proporcionar maior flexibilidade aos estrangeiros. Se as medidas macro demoram a sair por conta do Congresso Nacional, medidas micro desse tipo são tão ou mais importantes e certamente de implantação mais ágil. A Fipe também anunciou o IPC da primeira quadrissemana de outubro com alta de 0,02, contra estabilidade anterior.

No mercado, expectativa de Bovespa podendo recuperar o patamar de 100 mil pontos, dólar ainda fraco e juros também.

.

Alvaro Bandeira

Economista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor