Modalmais: Abertura 9.08 - tensão aumenta novamente

Mercados acionários tiveram ontem mais um dia de recuperação, principalmente nos EUA e na Bovespa.

Opinião do Analista / 11:57 - 9 de ago de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

No fechamento de 8 de agosto, os mercados acionários tiveram mais um dia de recuperação, principalmente nos EUA e na Bovespa. Conseguiram transformar a performance da semana de negativa para positiva. A Bovespa registrou alta de 1,30%, aos 104.115 pontos e acumula valorização em 2019 de 18,5%. Aos trancos e barrancos, a Bovespa conseguiu o terceiro pregão consecutivo de alta, mesmo com os investidores estrangeiros retirando recursos nos pregões de agosto.

Hoje mercados da Ásia encerraram o dia com comportamento misto, com Xangai e Hong Kong em quedas e Tóquio e Seul em alta. A Europa iniciou o dia com quedas nos principais mercados e futuros do mercado americano na mesma direção. Na Bovespa, seria positivo se conseguíssemos ultrapassar o patamar de 105 mil pontos do Ibovespa, mas está complicado de acontecer hoje.

Na China, durante a madrugada, a inflação medida pelo CPI de julho anualizado atingiu 2,8%, no maior nível em 17 meses. No Japão, o PIB do segundo trimestre cresceu 0,4% (previsão era +0,1%) e taxa anualizada de 1,7%, muito em função da expansão da demanda interna. O Banco Central Japonês (BoJ) alterou os volumes comprados de JGBs privilegiando compras de títulos mais curtos.

Na Alemanha, foi anunciado o superávit da balança comercial de junho em 18,1 bilhões de euros. No Reino Unido, o PIB do segundo trimestre encolheu 0,2% (previsão de estabilidade), mas a taxa anualizada está em +1,2%. A produção industrial de junho caiu 0,1%, de previsão de subir 0,4%. O déficit da balança comercial foi de 7,0 bilhões de libras, menor que o previsto.

A Agência Internacional de Energia (AIE) reduziu sua projeção de demanda global por petróleo em 1,1 milhão de barris dia por incertezas internacionais. Além da demanda nos cinco primeiros meses de 2019 ter sido a menor desde 2008, época do subprime. A Itália preocupa com a cisão no governo entre Liga Norte e Partido 5 Estrela que pode provocar eleições antecipadas. Enquanto isso, a Austrália se diz preparada para flexibilizar ainda mais a política monetária. O Peru reduziu a taxa para 2,50% de 2,75%.

No mercado, o petróleo WTI negociado em Nova Iorque mostrava alta de 1,47%, com o barril cotado em US$ 53,31. O euro era transacionado em alta para US$ 1,12 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros em queda para 1,70%. O ouro e a prata com altas na Comex e commodities agrícolas com viés de alta na Bolsa de Chicago.

No cenário político local, o ministro Paulo Guedes falou sobre a possibilidade de muitos investimentos aportarem parra os setores de saneamento e infraestrutura (falou em trilhões de dólares). Disse ainda que a energia mais barata vai proporcionar a reindustrialização do país. O IPC da Fipe da primeira quadrissemana de agosto foi de 0,12%, de anterior em 0,14%.

Os DIs começando levemente em alta de juros e o dólar com alta de 0,18%, cotado a R$ 3,934. Na Bovespa, o índice futuro mostra queda de 0,55% na abertura dos mercados.

Bom dia e bons negócios.

.

Alvaro Bandeira

Economista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor