Modalmais - Abertura 3.12: Trump, sempre ele

Dólar mais fraco no exterior facilitou queda por aqui de 0,68%, cotado a R$ 4,212.

Opinião do Analista / 13:43 - 3 de dez de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Ontem, a Bovespa operou na contramão de todos os principais mercados acionários do mundo, fechando com valorização de 0,64% e índice em 108.927 pontos. O dólar mais fraco no exterior facilitou queda por aqui de 0,68%, cotado a R$ 4,212, mesmo com Trump falando em tarifar produtos de aço e alumínio do Brasil.

Hoje, mercados da Ásia terminaram o dia com comportamento de queda, exceção para Xangai com alta de 0,31%. Na Europa, dia começando com Bolsas já passando para o campo negativo, o mesmo acontecendo com os futuros do mercado americano, depois de novas declarações de Trump. Aqui, seguimos mirando objetivo no recorde de 7 de novembro em 109.671 pontos, em dia que promete fraco.

Trump, sempre ele, voltou a criticar a atuação do Fed por sua política "ridícula" que atrapalha a indústria americana. Dessa feita, ameaçou a França de taxar 100% de exportações sobre US$ 2,4 bilhões (vinhos principalmente) e disse que a União Europeia trata os EUA de forma injusta. Mas Trump disse também que estão indo bem com a China nas negociações comerciais, e que todos vão saber logo não tem prazo para fechar acordo, e melhor seria depois das eleições. Ocorre que em teoria, a partir de 15/12 os EUA teriam que ampliar tarifação de produtos da China.

O Banco Central da Austrália (RBA) manteve a taxa de juros básica estacionada em 0,75%, o menor nível atingido. Já a Coreia do Sul, relatou crescimento do PIB no terceiro trimestre de 2,0% anualizado, e no trimestre com expansão de 0,4%. Na China, a Huawei disse que conseguiu produzir smartphones sem a tecnologia americana, depois da proibição de acordos comerciais.

Na Zona do Euro, a inflação medida pelo PPI (atacado) de outubro ficou em +0,1%, mas a taxa anualizada está em -1,9%. Na Turquia, a inflação subiu para 10,56% anualizada, mas a expectativa era ainda pior em 11,01%. Na sequência dos mercados no exterior, o petróleo WTI negociado em Nova Iorque mostrava alta de 0,27% (já esteve melhor) e com o barril cotado a US$ 56,11. O euro era transacionado em leve queda para US$ 1,108 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,793%, em queda. O ouro e a prata mantinham altas na Comex e commodities agrícolas com comportamento misto na Bolsa de Chicago.

No segmento doméstico, o presidente da Câmara Rodrigo Mais disse que ontem conseguiram votar o ISS, e que pretende colocar hoje em votação o projeto anticrime de Sérgio Moro e começar discussões em comissão da prisão em segunda instância amanhã. Já o presidente Lula, através de sua defesa, pediu a anulação do julgamento do TRF-4 sobre o sítio de Atibaia, quando sua pena foi ampliada para 17 anos e um mês. A oposição quer obstruir a votação do marco regulatório de saneamento.

Na economia, o ministério de Paulo Guedes, o Itamarati e Agricultura conversam com os americanos para entender como seria a tributação, e somente aí tomar as providências cabíveis. O dia começando complicado por conta da necessidade de ajuste dos mercados com a fala de Trump. Com isso a Bovespa pode realizar, mas se surgir fluxo pode até manter recuperação contrária ao comportamento dos demais mercados.

.

Alvaro Bandeira

Economista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor