Modalmais - Abertura 20.09: investidores ajustam posições

Mercados da Ásia terminaram o dia com viés mais positivo, Europa operando ainda com leve queda.

Opinião do Analista / 11:27 - 20 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

No fechamento do último 19 de setembro, os mercados que estavam abertos na parte da tarde sofreram reversão de tendência ou encolheram o processo de alta do início da manhã de hoje. Na Bovespa não foi diferente com o índice fechando em queda de 0,18% em 104.339 pontos. Depois da máxima do dia bater 106.001 pontos. O dólar mostrou forte alta de 1,44% cotado a R$ 4,163.

Investidores reagiram ao noticiário internacional sobre o não acordo entre os EUA e a China. Donald Trump poderia impor tarifação entre 50% e 100% para produtos importados da China. As empresas mais expostas à China tiveram quedas no mercado americano e a "onda" acabou vindo para o Brasil. Investidores reagiram a declaração mais dura do Irã de que só conversariam com os EUA se voltassem ao acordo nuclear e retirassem sanções impostas. Claramente temos um impasse por aí.

Hoje, mercados da Ásia terminaram o dia com viés mais positivo, Europa operando ainda com leve queda. Grande indefinição de tendência e futuros do mercado americano com comportamento de leve alta no início da manhã. A Bovespa tem que manter próxima a faixa de 105 mil pontos para voltar ao recorde de 106.650 pontos atingido em 10 de julho.

No Japão, a inflação medida pelo CPI de agosto anualizado está em 0,3%, mesmo patamar da inflação anualizada da Alemanha, que no mês de agosto observou deflação de 0,5%. O parlamento da Áustria aprovou resolução que o obriga o governo a vetar o acordo entre a União Europeia e o Mercosul. Na China, o Banco Central Chinês (PBoC) reduziu a taxa de empréstimo de um ano para 4,2% durante o mês de setembro.

O presidente do Fed regional de St. Louis votou na reunião do Fomc por redução de 0,505 na taxa básica americana. Declarou que seria positivo antecipar movimentos. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em Nova Iorque mostrava alta de 1,01%, como barril cotado a US$ 58,72. O euro era transacionado em leve queda para US$ 1,103 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,79%, em alta. O ouro e a prata com altas na Comex e commodities agrícolas com viés de queda na Bolsa de Chicago.

O presidente Bolsonaro se prepara para discurso na abertura da Assembleia da Organização das Nações Unidas (ONU) no dia 24 de setembro. Bolsonaro deve sofrer pressão de diferentes países. A Polícia Federal fez devassa em gabinete do líder do governo no senado e causou mal-estar entre o senado e Supremo Tribunal Federal (STF) que autorizou incursão. A Toyota vai investir R$ 1,0 bilhão na planta de Sorocaba para novo automóvel a ser produzido. A FGV anunciou que a confiança da indústria de setembro caiu 0,2 ponto para 95,4 pontos e utilização da capacidade caindo para 75,6%.

Ainda no cenário local, os DIs começam o dia próximo da estabilidade, o futuro do Ibovespa com alta de 0,37% e dólar abrindo em leve alta de 0,03% e cotado a R$ 4,16.

Bom dia e bons negócios.

.

Alvaro Bandeira

Economista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor