Advertisement

Modalmais - Abertura 18.06: dia pode ser positivo

No último fechamento, Bovespa não conseguiu acompanhar os principais mercados do exterior.

Opinião do Analista / 10:53 - 18 de Jun de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Teve leve alta e fechou com queda de 0,43% e índice novamente abaixo dos 98 mil pontos, em 97.623 pontos. A agenda da semana, o feriado desta quinta-feira, dia 20 de junho, e sexta-feira enforcada pesou. Além do estresse político, vencimento de opções e índice deram o tom de preocupação dos investidores no Brasil.

Hoje, Bolsas da Ásia encerrando em alta durante a madrugada, exceto Tóquio com -0,72%, Europa em boa alta nesse início de manhã e acelerando e futuros do mercado americano também em boa alta. No cenário local, mercado pode ter dia positivo e não incidir na terceira queda seguida.

Mario Draghi, presidente do BCE (BC europeu), deu declarações positivas nesse início de manhã no Fórum Anual da Instituição dizendo que cortes de juros fazem parte do ferramental do banco. Casos as condições econômicas não melhorem e que há grande espaço para flexibilização monetária, o QE. O fato está motivando os investidores nesse começo de dia e pode ajudar o cenário local. Mas Trump reagiu dizendo que aumenta a competitividade com o euro em queda.

Na Zona do Euro, a inflação medida pelo CPI de maio ficou em 1,2% anualizado, com o núcleo anualizado em 0,8%. O saldo da balança comercial de maio desacelerou para 15,3 bilhões de euros. Na Alemanha, o índice Zew de expectativas econômicas caiu para -21,1 pontos em junho de previsão de -8,5 pontos e o de condições atuais mostrou queda para 7,8 pontos.

Na China, o preço de imóveis novos de maio mostrou desaceleração para alta de 11,26%, vindo no mês anterior de 11,35%. A gigante de tecnologia Huawei disse que pode perder US$ 30 bilhões em receita com a restrição imposta pelos americanos. O Pentágono anunciou o envio de mil militares para o Oriente Médio, em função de atitudes hostis do Irã. País que anunciou que vai superar o enriquecimento de urânio do acordo nuclear firmado.

No mês de abril, a China seguiu sendo a maior credora dos EUA com aplicações emtreasuries de US$ 1,11 trilhão, seguida do Japão com US$ 1,06 trilhão e do Brasil com US$ 306,7 bilhões; todos reduzindo posições. No mercado, o petróleo WTI negociado em Nova Iorque mostrava queda de 0,37%, com o barril cotado a US$ 51,74. O euro era transacionado em queda para US$ 1,12 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 2,04%, em forte queda. Queda ainda no menor nível para os Bunds da Alemanha.

Bolsonaro vetou despacho gratuito de bagagem em voos domésticos. Gustavo Montezano foi convidado para ser o novo presidente do BNDES. Gustavo era adjunto na secretaria de desestatização. A Odebrecht entrou com pedido de recuperação judicial, envolvendo R$ 98,5 bilhões e quer tentar preservar a Braskem. Na economia, a FGV anunciou que a segunda prévia do IGP-M mostrou inflação subindo para 0,75% (anterior em 0,58%, acumulando no ano +4,33% e em 12 meses alta de 6,46%). O monitor do PIB de abril mostrou contração de 0,1%.

No mercado, expectativa de queda dos juros na sessão de hoje, dólar podem operar mais fraco e Bovespa tentando recuperar firmar patamar acima de 98 mil pontos para buscar novo recorde de pontuação. De toda forma, é necessário que o ambiente político acalme.

Bom dia e bons negócios.

.

Alvaro Bandeira

Economista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor