Mídia brasileira ignora negócios do presidente paraguaio

Noticiado por grandes jornais do Paraguai, envolvimento de Bolsonaro fica fora dos jornalões de cá.

Fatos e Comentários / 19:31 - 7 de ago de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Reverbera no Paraguai o silêncio da mídia tradicional do Brasil em relação ao escândalo de Itaipu. Nesta terça-feira, a mídia paraguaia divulgou novas denúncias, que indicam que o presidente Mario Abdo Benitez estava a par das negociações que prejudicavam seu país e caminhavam para beneficiar uma empresa brasileira, a Leros. Por trás de tudo, segundo a mídia vizinha, estaria a família Bolsonaro.

Não se tratam de meios de comunicação de esquerda. São órgãos tradicionais do Paraguai, que obtiveram trocas de mensagens entre os personagens envolvidos (Vaza Jato faz escola). O ABC sustenta que o presidente do Paraguai “recebeu pressões do Brasil para assinar a ata secreta de 24 de maio”, que faria seu país pagar US$ 200 milhões a mais por ano pela energia de Itaipu. E as pressões teriam vindo do Planalto, não do Itamaraty. Pelo lado brasileiro, representando a Leros, estaria Alexandre Giordano, suplente do senador Major Olímpio (PSL-SP), líder de Bolsonaro no Senado e aliado fiel da família.

Tudo isso pode não passar de uma interpretação equivocada da imprensa paraguaia. Ou de mensagens manipuladas. Mas, no mínimo, haveria o dever de noticiar, ainda que com todas as ressalvas. Porém, a mídia tradicional brasileira reverbera as notícias sobre o possível impeachment do presidente do Paraguai somente até a página 3 e corta qualquer menção a Bolsonaro; que vive às turras – aparentes – com a mesma mídia.

 

Marcação na pressão

Permitir ao trabalhador acompanhar os depósitos no FGTS e recuperar eventuais perdas, o Instituto Fundo de Garantia do Trabalhador (IFGT) lança na próxima segunda-feira o sistema FGT (fundodegarantia.com.br). O mecanismo vai permitir controlar os depósitos não realizados pelas empresas, fornecendo um extrato com o saldo atualizado mensalmente com juros e correção monetária, o crédito da distribuição de lucro devido sobre estes depósitos, além do valor da multa de 40% ou 20% em caso de demissão sem justa causa ou por acordo. Será lançado também um aplicativo com o mesmo nome para a plataforma Android.

Segundo Mario Avelino, presidente do IFGT, a Caixa, gestora do Fundo de Garantia, só mostra o saldo do que é depositado pelas empresas e empregadores domésticos, o rendimento mensal e a distribuição de lucro do que foi depositado.

O governo só garante o que é depositado, o que não é depositado, ele tenta cobrar, se não consegue é um problema do trabalhador, que muitas vezes só recebe através de uma ação trabalhista, e somente os últimos cinco anos, pois em novembro de 2014 o STF reduziu a prescrição de 30 para 5 anos” explica Avelino. De acordo com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, atualmente existe um débito de R$ 32 bilhões de FGTS não depositado por aproximadamente 225 mil empresas, onde uma parte delas está falida.

 

Líder em despesas

A sociedade ganhou benefícios em valores superiores a R$ 13,5 bilhões com o maior controle sobre o seguro obrigatório (Dpvat), segundo o Tribunal de Contas da União (TCU). Mas o Tribunal reclama que algumas de suas recomendações ainda não foram implementadas pela Susep.

O TCU considerou que a Susep cumpriu metade das 12 recomendações proferidas no Acórdão 2.609/2016. Uma das falhas está na identificação das despesas administrativas da Seguradora Líder (administradora do consórcio responsável pelo Dpvat) consideradas irregulares. Entre 2008 e 2012, o Tribunal apurou despesas de pouco mais de R$ 440 milhões que eram repassadas ao valor do seguro.

Também foi recomendada a reavaliação da estrutura administrativa da Susep e a inclusão de procedimento de auditoria com a finalidade de verificar a consistência dos dados relativos a pagamento de sinistros informados pela Seguradora Líder.

 

Subsídio liberal

Não existe almoço grátis, repetem os liberais. A publicação de balanços pela CVM ou pelo Diário Oficial eleva gastos com links, hospedagem, papel. Subsídio bancado por você, contribuinte, em benefício de grandes empresas. Será que a benesse também não teve custo?

 

Rápidas

A reinstalação da Frente Parlamentar em Defesa da Indústria Naval do Rio de Janeiro ocorrerá em 12 de agosto, às 10h, no plenário da Assembleia Legislativa (Alerj) *** O Hero Anime Festival aporta no Passeio Shopping entre 12 e 15 de agosto, com oficina de desenho, palestra sobre quadrinhos e outras atividades.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor