Mesmo quitando dívidas, carioca está freando compras

Segundo Aldo Gonçalves, isso, apesar de o Dia das Crianças ser uma das datas comemorativas mais importantes para o comércio.

Rio de Janeiro / 12:12 - 10 de out de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A inadimplência no comércio carioca cresceu 1,5% em setembro em relação ao mesmo mês do ano passado, de acordo com os registros do Serviço Central de Proteção ao Crédito do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio). As dívidas quitadas (índice que mostra o número de consumidores que colocaram em dia seus compromissos atrasados) aumentou 1,2% e as Consultas (item que indica o movimento do comércio) diminuíram 7,1%.

Em relação ao mês anterior (agosto) as consultas, a inadimplência e as dívidas quitadas caíram, respectivamente, 0,6%, 1,3% e 0,2%.

No acumulado dos nove meses do ano (janeiro/setembro), a inadimplência e as dívidas quitadas aumentaram, respectivamente, 1,2% e 1,1% e as consultas caíram 6,5% em comparação com o mesmo período de 2018.

"Normalmente em épocas de grandes datas comemorativas, como por exemplo o Dia das Crianças, os consumidores correm para a colocar as suas contas em dia para poder comprar. Mas dessa vez o número de consultas caiu 7,1%, o que mostra que o consumidor está freando as compras, apesar de o Dia das Crianças ser uma das datas comemorativas mais importantes para o comércio, considerado o Natal para o setor de brinquedos", diz Aldo Gonçalves, presidente do CDL-Rio.

Segundo o LIG Cheque, registro de cadastro da entidade, em setembro em relação ao mesmo período do ano passado as consultas e as dívidas quitadas caíram, respectivamente, 11% e 2,2% e a Inadimplência cresceu 1,8%.

Comparando-se setembro com o mês anterior (agosto), as consultas e as dívidas quitadas recuaram 1,8% e 1,1% e a Inadimplência aumentou 1,7%.

No acumulado dos nove meses do ano (janeiro/setembro) em relação ao mesmo período do ano passado, as consultas e as dívidas quitadas caíram, respectivamente, 8,5% e 2,7% e a Inadimplência cresceu 1,8%.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor