Mercado de fintechs está ganhando confiança

Mais de 2,5 milhões de pessoas atendidas com dificuldades para abrir conta PJ em banco.

Mercado Financeiro / 21:17 - 20 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O mercado brasileiro tem mais de 8 milhões de MEIs (Microempreendedores Individuais), além de microempresas e pequenas empresas e startups. Todos esses empreendedores precisam de atendimento bancário, mas nem sempre se encaixam nos requisitos exigidos pelas grandes instituições. Com esse potencial enorme de clientes, o mercado brasileiro é visto como promissor para a instalação de fintechs. A Conta Simples é um exemplo. A fintech vai completar um ano em outubro e a meta da empresa é de abrir 6 mil contas até o fim do ano.

A Conta Simples nasceu para ser 100% focada no público de PJs (pessoa jurídica), com uma conta digital que oferece tudo o que um pequeno empresário precisa, como cartão corporativo, folha de pagamento, sistema de cobrança e, em um futuro próximo, ofereceremos crédito para capital de giro”, explica o administrador de empresas Rodrigo Tognini, co-fundador da Conta Simples. Ele contou ao MONITOR MERCANTIL como vislumbra o mercado das fintechs (veja entrevista completa abaixo).

A abertura da Conta Simples se deu a partir de uma experiência pessoal do próprio Tognini. “Ao abrir meu primeiro CNPJ, em 2017, logo precisei de uma conta jurídica. Fiz o pedido de abertura e enviei todos os documentos ao banco: o processo levou mais de 30 dias”, lembra. Diante da burocracia, lentidão e falta de transparência dos bancos no atendimento às pequenas empresas, ele decidiu desenvolver a Conta Simples.

O mercado para conta PJ é volumoso. “Só em 2018, o Brasil teve mais de 2,5 milhões de CNPJs abertos, ou seja, mais de 2,5 milhões de pessoas com dificuldade em simplesmente abrir uma conta PJ no banco”, ressalta Tognini que estudou Empreendedorismo & Administração na Universidade Columbia, nos EUA.

O mercado brasileiro tem um potencial enorme para o surgimento de fintechs , mas o que precisa ainda mudar do ponto de vista jurídico para que esse mercado ganhe mais escala?

- Deixar mais claro para as pessoas que utilizam fintechs dos riscos (que são baixos) e garantias que possuem. Por um outro lado, não vejo que é a questão jurídica que impede uma maior escala de startups financeiras. Hoje, na minha opinião, é o hábito e confiança que as pessoas possuem com essas novas soluções. Acredito que o crescimento é um movimento natural, conforme a população vai ganhando confiança e percebendo a melhora no dia a dia dos serviços.

Recentemente o presidente do Itaú chegou a comentar que as fintechs financeiras já começam a “incomodar” os grandes bancos. Ele exagera ou é isso mesmo o que podemos vislumbrar?

- O avanço da tecnologia está cada vez mais rápido e com isso a dinâmica do mercado começa a mudar de maneira radical, somado ao fato que as grandes empresas não possuem uma flexibilidade e capacidade de adaptação na velocidade dessas mudanças, é natural que comecem a ficar incomodados, porém, é um incômodo ainda pequeno. Os grandes bancos só irão ficar preocupados, quando perceberem que o crescimento do lucro está estagnado ou diminuindo, e isso ainda não aconteceu.

Em relação aos bancos, as fintechs oferecem mais vantagens para a pessoa física e ao pequeno empreendedor. No Caso da Conta Simples, qual o diferencial sobre outras fintechs já em operação?

- As fintechs conseguem resolver problemas específicos das empresas. São dores que os grandes bancos não conseguem enxergar pelo tamanho e número de clientes. Atualmente o empreendedor enfrenta muita burocracia para abrir e gerenciar uma conta PJ, e também dificuldade de acesso a produtos financeiros como cartão corporativo, crédito para capital de giro. Além de não conseguir fazer de maneira adequada as movimentações do dia a dia, que é receber de clientes e realizar pagamentos.

Nós da Conta Simples temos como grande diferencial uma conta digital PJ focada em resolver e simplificar toda a relação com o dinheiro, desde a abertura de conta até as movimentações financeiras do dia a dia.

Uma das principais dores do empreendedor, é gerenciar os recebimentos de sua empresa, e a Conta Simples oferece um sistema de cobrança integrada a conta, que em pouco cliques o cliente consegue gerenciar. Além de receber um cartão corporativo de crédito já na abertura da conta, usando seu saldo como limite do cartão.

A Conta Simples não cobra nenhuma taxa de manutenção e todo atendimento é feito por whatsapp, mais rápido e direto.

Quais os planos a médio prazo do Conta Simples?

- Melhorar cada de vez mais a experiência e por isso estamos constantemente ouvindo nossos clientes para construir uma solução totalmente adequada. Já estamos com algumas iniciativas em andamento para lançamento de produtos financeiros e também ferramentas que ajudam no dia a dia do negócio. É algo totalmente inovador e que ninguém fez até agora.

Na Conta Simples, os clientes podem pagar boletos, contas e impostos e fazer transferências, gratuitamente entre Contas Simples e para os demais bancos com cobrança de tarifa de R$ 2,99. Todo o serviço é oferecido sem nenhuma taxa de manutenção. Bancos tradicionais não liberam um cartão de crédito para empresas em fase inicial. Eles pedem um histórico de movimentação da empresa, o que não faz sentido, uma vez que a empresa acabou de ser constituída. O empreendedor acaba usando o cartão pessoal, o que prejudica tanto a empresa quanto as finanças na pessoa física.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor