Advertisement

Material de construção fecha trimestre com alta de 2,1% em faturamento

Conjuntura / 16 Abril 2018

Dados divulgados pela Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) apontam crescimento no faturamento deflacionado no trimestre de 2,1%. O resultado positivo, contudo, ainda não significa plena recuperação, uma vez que tomando como referência o acumulado dos últimos 12 meses, ou seja, de abril de 2017 a março de 2018, o faturamento registra queda de 1,6%. Na comparação entre março de 2017 e março de 2018, o estudo aponta estabilidade (variação de 0,0%).

Analisando os números em maior detalhe, observa-se crescimento no faturamento dos dois segmentos em que se dividem os produtos: base e acabamento. No trimestre os produtos de base registraram crescimento de 2,2% e os de acabamento 2,0%.

O resultado acumulado é superior à projeção do ano, no entanto a associação entende que haverão variações pontuais nos resultados mês a mês, fazendo com que a previsão para o fechamento de 2018, crescimento de 1,5%, seja mantida.

A expectativa é que as vendas para o varejo sigam crescendo, puxando o setor até o momento em que as grandes construções e obras de infraestrutura voltem a apresentar crescimento relativo a períodos anteriores. O ano de eleições contribui negativamente nesse aspecto, uma vez que muitas obras públicas serão iniciadas apenas ao término da eleição.

 

Crédito imobiliário - A Caixa Econômica Federal anunciou hoje redução das taxas de juros do crédito imobiliário e aumento do percentual do valor do imóvel financiado.

As taxas mínimas passaram de 10,25% ao ano para 9% ao ano, no caso de imóveis do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), e de 11,25% ao ano para 10% ao ano para imóveis enquadrados no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI). As taxas máximas caíram de 11% para 10,25%, no caso do SFH, e de 12,25% 11,25%, no SFI.

A última redução de juros feita pela Caixa ocorreu em novembro de 2016, quando as taxas mínimas passaram de 11,22% para 9,75% ao ano para imóveis financiados pelo SFH, e de 12,5% para 10,75% ao ano para imóveis do SFI.

O banco aumentou novamente o limite de cota de financiamento do imóvel usado, de 50% para 70%. Em setembro do ano passado, a Caixa tinha reduzido para 50% do valor do imóvel o limite máximo de financiamento. A Caixa também retomou o financiamento de operações de interveniente quitante (imóveis com produção financiada por outros bancos) com cota de até 70%.

 

Com informações da Agência Brasil