Mapfre Investimentos: o euro está no foco das atenções na semana

Opinião do Analista / 16 Maio 2017

A atual semana reserva acontecimentos que deverão provocar um potencial impacto na moeda europeia. Depois da divulgação de resultados positivos referentes à produção industrial na Zona do Euro na semana passada, serão divulgados nessa terça os dados do Produto Interno Bruto (PIB) da região no primeiro trimestre do ano, além do saldo da balança comercial da Zona do Euro no mês de março. A eurostat divulgará ainda, no dia 17, o resultado da inflação europeia no mês de abril, com dados que certamente terão impacto na cotação do euro frente ao dólar.

No entanto, vale ressaltar que os eventos com maior potencial de impacto na moeda europeia não são de natureza econômica, mas sim política. Na Alemanha, o partido da chanceler alemã Angela Merkel, o conservador CDU, deu sinais de fortaleza. Este saiu vitorioso neste último domingo, dia 14, nas eleições regionais da Renânia Palatinado. Trata-se do mais populoso Estado da Alemanha e que, tradicionalmente, indica tendências eleitorais nas disputas nacionais. Segundo resultados preliminares, o CDU obteve 34,5% dos votos, acima dos 26,3% registrados em 2012 na mesma região, e acima dos 30,5% obtidos pelo SPD, partido social-democrata. Com o resultado deste domingo, o CDU acumula três vitórias em diferentes eleições regionais desde o fim de março.

Esse resultado aumenta as probabilidades de vitória de Merkel na disputa nacional de 24 de setembro. A imagem da chanceler como líder experiente, provedora de estabilidade, encontra eco em muitos alemães avessos a riscos. Merkel, a política mais longeva da europa Ocidental, é vista por muitos como uma negociadora hábil para guiar conversas difíceis com os britânicos em seu processo de saída da União Europeia. Ao mesmo tempo, enfraquece os argumentos daqueles que veem a Zona do Euro propensa à desintegração e fortalece a visão de manutenção da UE coesa nos próximos anos. Não por acaso, o euro vem se fortalecendo nesta semana.

Mas os riscos à Zona do Euro não residem apenas na vitória ou derrota de Merkel em setembro. O que está no foco das atenções será a conquista de 5% dos votos pelo partido de extrema direita, o AfD. Se isso acontecer, políticos de extrema direita terão assento no Parlamento alemão pela primeira vez desde a II Guerra Mundial. Dois eventos favorecem essa probabilidade. Primeiro, o decrescente constrangimento das novas gerações de alemães em votar em partidos de extrema direita. Segundo, os efeitos da imigração síria na Alemanha. A Mapfre Investimentos estará atenta aos riscos e oportunidades desse cenário.

 

Gestão - A semana passada foi de otimismo para o mercado local, em especial para a Bolsa brasileira, que subiu 3,82% e encerrou a semana com 68.221 pontos. Os avanços da reforma da previdência na Câmara dos Deputados, que conseguiu a aprovação de seu relatório na comissão especial e a divulgação de resultados corporativos melhores que o esperado, garantiram a recuperação do mercado local. No mercado de câmbio, o dólar se desvalorizou frente ao real e encerrou a semana com queda de -1,49%, cotado a R$ 3,1240.

Os destaques positivos do Ibovespa ficaram por conta das ações da Petrobras, que divulgou seus resultados trimestrais e apresentou o melhor Ebitda da história, além de forte redução de custos. Já pelo lado negativo, após números ruins no primeiro trimestre do ano, as ações da Gafisa sofreram nas últimas semanas e encerraram a semana passada com queda de 13,81%.

O mercado de juros refletiu a divulgação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de abril, com números abaixo das projeções dos economistas, além do noticiário positivo da reforma da previdência. Com isso, todos os vencimentos da curva de juros futuros apresentaram forte queda, com os investidores precificando a possibilidade de aceleração do ritmo de queda da taxa Selic na próxima reunião do Copom.