Maia vai propor medidas para aquecer economia

Guedes acena com redução dos juros para construção, mas quer vender BB

Conjuntura / 22:56 - 17 de mai de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Preocupado com a alta do desemprego e com a recessão, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que ele e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), vão apresentar nas próximas semanas uma agenda voltada para a reestruturação do Estado brasileiro e medidas de curto prazo para estimular o aquecimento da economia.

A afirmação foi feita no 91º Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), organizado pela Câmara Brasileira do setor (CBIC), no Rio de Janeiro. O ministro da Economia, Paulo Guedes, também participou. Apesar de dizer que vai trabalhar com Guedes, Maia foi incisivo:

– Ministro, quando a gente ouve as suas apresentações, a gente vê um Brasil espetacular, com redução da pobreza, melhora na educação. Mas a sociedade vive uma crise, uma recessão real há cinco anos.

Entre as propostas citadas pelo presidente da Câmara, está a utilização do FGTS para fomentar investimentos. “Nós estamos caminhando para o aumento do desemprego, para o aumento da pobreza. No final do ano voltamos a ter fome no país”, criticou.

Paulo Guedes acenou com a redução dos juros para financiamentos imobiliários concedidos por bancos públicos. A declaração contrasta com a afirmação feita pelo ministro nos Estados Unidos, quinta-feira, na qual propôs fazer uma fusão entre o Banco do Brasil e o Bank of America, similar ao negócios entre Embraer e Boeing – na realidade, a companhia norte-americana comprou a brasileira.

Rodrigo Maia defendeu a reforma administrativa do Estado, para melhorar a eficiência dos gastos públicos. “Nós precisamos reestruturar a gestão pública no Brasil. O Estado brasileiro ficou caro. Os Três Poderes, as carreiras típicas de Estado; os servidores da Câmara, recebem 67% mais que o seu equivalente no setor privado. Nos estados, a média é 30%”, avaliou. “Não quero tirar um real daqueles que fizeram concurso e têm os seus diretos, mas daqui para frente vamos reconstruir as carreiras”, concluiu.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor