Luz mais cara para acelerar venda da Eletrobras

Conjuntura / 13 Setembro 2017

Governo quer privatizar empresa no primeiro semestre de 2018

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, disse que o governo quer concluir a privatização da Eletrobras ainda no primeiro semestre de 2018. O detalhamento do modelo de desestatização e as condicionantes devem ser apresentados este mês.
O ministro afirmou que a discussão envolve o aumento das contas de luz para valorizar as distribuidoras da Eletrobras e tornar ainda mais apetitosa a venda. Coelho Filho participou de teleconferência a veículos da mídia internacional para falar das mudanças que estão ocorrendo nos segmentos de petróleo e gás, mineração e energia elétrica.
Até agora, analistas avisavam que a tarifa de energia elétrica iria aumentar, mas somente após a privatização, como ocorreu após a venda de distribuidoras, ou no setor telefônico.
O ministro explicou que o processo de recuperação da empresa ocorre paralelamente à privatização, com a venda de distribuidoras e ativos para dar liquidez às contas da empresa. “O tempo é curto e este é, por si só, um grande desafio”, admitiu.
A ideia é pulverizar o controle da empresa, abrindo o capital para que investidores privados assumam o controle da companhia. Com 47 usinas hidrelétricas, 114 termelétricas, duas termonucleares, 69 usinas eólicas e uma usina solar, a Eletrobras é responsável por um terço do total da geração de energia do país. Também é a maior empresa de transmissão de energia, com quase metade das linhas.