Lucro líquido da Vivara cresce 8,2% no 3º trimestre

Companhia elevou sua receita líquida em 9,2%, atingindo R$ 240 milhões

Mercado Financeiro / 22:07 - 14 de nov de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Apesar da tímida retomada do varejo, a Vivara Participações S.A. (B3: VIVA3), maior rede de joalherias do Brasil, obteve crescimento nos seus indicadores e elevou o lucro líquido em 8,2%, atingindo R$ 43 milhões, no terceiro trimestre do ano. No período, a receita líquida alcançou R$ 240 milhões, 9,2% acima do mesmo período do ano anterior.

A Vivara acelerou o ritmo de abertura de pontos de vendas, ganhando ainda mais velocidade de operação. No terceiro trimestre, foram 11 inaugurações, sendo seis lojas Vivara e cinco quiosques. No acumulado do ano, de janeiro até setembro, foram 17 novos pontos, parte deles em novos mercados de forte atividade econômica.

Estamos muito seguros para a execução do nosso plano estratégico para os próximos anos, e tenho certeza de que vamos continuar crescendo, entregando os melhores produtos para os nossos clientes e gerando valor para os acionistas. Vamos encerrar superando a nossa expectativa inicial”, conta Marcio Kaufman, diretor-presidente da companhia.

No trimestre encerrado em 30 de setembro, a Vivara alcançou crescimento de 8,5% nas vendas em mesmas lojas (SSS). O Ebitda, por sua vez, totalizou R$ 53,6 milhões, mais 8,6% que o terceiro trimestre do ano passado, com Margem de 22,3%. Destaque também para a forte geração de caixa que alavancou 64,2% no trimestre, atingindo R$ 46,5 milhões. “A Vivara manteve o nível de Margem Ebitda e também na Margem Líquida. Conseguimos entregar uma forte geração de caixa e também o retorno de investimento dos últimos 12 meses, na casa dos 34%”, completa a executivo.

Apostando na estratégia digital, o e-commerce da companhia cresceu 25,5% e atingiu 7,5% de participação nas vendas totais. “Para 2020 vamos focar na experiência do consumidor, com um site cada vez mais interativo e com a implementação de um sistema de OMS, para extrair o máximo da capilaridade da nossa rede, com entregas mais rápidas para clientes de praças fora de São Paulo”, declara Marcio.

Em relação ao quarto trimestre do ano, a companhia está segura e otimista, com os esforços voltados para o período que representa mais de um terço das vendas anuais e um percentual ainda maior do Ebitda e lucro líquido do exercício - cenário que foi visto em 2018 e deve se repetir em 2019 - e abertura de 14 novas lojas, ainda este ano.

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor