Advertisement

Lucro do BB no semestre cresce 21,4%, com mais tarifas e menos provisões

Mercado Financeiro / 09 Agosto 2018

Retorno sobre patrimônio atingiu 13,3% (foto: Marcelo Camargo/ABr)

O Banco do Brasil (BB) teve lucro de R$ 6,3 bilhões no primeiro semestre do ano, um crescimento de 21,4% em relação ao mesmo período do ano anterior. No segundo trimestre, a instituição financeira alcançou lucro líquido ajustado de R$ 3,2 bilhões, uma alta de 22,3% em relação ao mesmo período de 2017. Em relação ao primeiro trimestre de 2018, houve elevação de 7,1%.

O banco reportou aumento do retorno sobre patrimônio líquido (RSPL) para 13,3% no primeiro semestre do ano. Os dados foram divulgados no início da manhã desta quinta-feira.

O BB avalia que o resultado foi influenciado pelo aumento das rendas de tarifas, controle das despesas administrativas – que cresceram 1,2% no primeiro semestre de 2018 – e menores provisões de crédito. O índice de eficiência acumulado em 12 meses ficou estável em 38,9%.

As rendas de tarifas, influenciadas principalmente pela linha de conta corrente, tiveram aumento de 7,2% no primeiro semestre. As tarifas relacionadas à administração de fundos representaram aumento de 13,2% no período.

O índice de inadimplência teve queda pelo quarto trimestre consecutivo, atingindo 3,34% no segundo trimestre. Com isto, a despesa de provisão líquida de recuperação caiu 32% em relação ao segundo trimestre de 2017 e 15,6% em relação ao primeiro trimestre de 2018.

Crédito para empresas não cresce

A carteira de crédito ampliada manteve desempenho positivo ao final de junho, com crescimento de 1,5% em relação a março de 2018. A carteira de crédito da pessoa jurídica manteve estabilidade em relação ao trimestre anterior.

A carteira agronegócios ampliada registrou alta de 2,1% na comparação com março passado. Na comparação com junho do ano passado, houve estabilidade (alta de 0,2%). O crédito rural do BB cresceu 5,1% em relação ao trimestre anterior.

A carteira de crédito da pessoa física orgânica cresceu 2,2% em relação a março deste ano e 4,1% na comparação com junho de 2017, com destaque para as linhas de crédito imobiliário, com crescimento de 8,8%, e o CDC Consignado, alta de 7,4% no período.

O Banco do Brasil encerrou o segundo trimestre com presença em 99,7% dos municípios brasileiros. A instituição atingiu 648 agências digitais e especializadas em funcionamento ao final de junho. Já as transações via internet e telefone celular atingiram 77% das transações do BB no segundo trimestre deste ano.