Juros assustaram na última sexta. Yellen tenta acalmar

Fed poderá ser obrigado a fazer um corte na sua taxa básica.

Acredite se Puder / 17:57 - 25 de mar de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Janet Yellen, ex-presidente do Federal Reserve, não acredita que haverá uma desaceleração econômica prolongada, embora ache que a inversão da curva de juros nas obrigações norte-americanas pode sinalizar a possível necessidade de corte na Fed Funds Rate. Essas afirmações foram feitas na Credit Suisse Asian Financial Conference, realizada em Hong Kong. Para Yellen, não há motivos para deixar os investidores preocupados. Embora, o que aconteceu na sexta-feira da semana passada, pela primeira vez desde 2007, provocou pânico, com muitos prevendo um indicador de recessão, porque a taxa de juros da dívida pública de três meses superou os rendimentos das obrigações do Tesouro com prazo de dez anos. Isso porque os aplicadores, num cenário normal, consideram que devem ganhar mais nos investimentos de uma maturidade mais longa. Esse tem sido o padrão nos últimos 40 anos e cada vez que se registou uma inversão da curva de rendimentos, os Estados Unidos entraram em recessão pouco tempo depois. As duas últimas ocorreram no final da década de 1990 e em 2008.

A inversão da curva, na opinião de Yellen, levará o Fed a reduzir os juros, em algum momento, sem sinalizar que este é um conjunto de medidas que provocará uma recessão. A antiga presidente do órgão considera que uma recessão nos Estados Unidos não é um cenário particularmente provável, apesar de reconhecer que a economia norte-americana está desaquecendo.

 

Merryll Lynch multada em US$ 8 mi

A Merrill Lynch, Pierce, Fenner & Smith Incorporated pagará mais de US$ 8 milhões para liquidar as acusações da Securities and Exchange Commission de manuseio indevido de American Depositary Receipts “pré-lançados”. A instituição norte-americana tomava indevidamente de outras participantes do mercado, embora soubesse que eles não possuíam as ações estrangeiras necessárias para sustentar esses ADRs. A SEC verificou que tais práticas resultaram no aumento exagerado do número total de títulos negociáveis de um emissor estrangeiro, o que resultou em práticas abusivas como a venda a descoberto inadequada e a arbitragem de dividendos que não deveriam estar ocorrendo. Esta foi a nona ação de fiscalização da SEC contra um banco ou corretora resultante de sua investigação em andamento sobre práticas abusivas de pré-liberação de ADRs, que até agora resultaram em acordos monetários superiores a US$ 370 milhões.

 

Blackhill é ou não é do Tanure?

A Blackhill aumentou de 6,31% para 7,06% sua participação acionária na Pharol. Apesar das evidências, Nelson Tanure nega ser acionista. As compras foram realizadas próximas à assembleia da Pharol, marcada para 29/03. E o brasileiro lidera a ala que insiste nas disputas com a Oi.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor