Juro estável atrai investimento brasileiro na Flórida

Estabilidade da taxa básica nos EUA e Brasil estimula brasileiros a comprar imóveis para alugar a turistas.

Empresas / 13:18 - 31 de mai de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Visitada por mais de 1,1 milhão de brasileiros em 2018, número 8% do que no ano anterior, a Flórida vem sendo procurada por brasileiros que buscam investir em imóveis para aluguel de curto prazo ou por temporada. As taxas de juros estáveis nos EUA e no Brasil incentivam os investimentos.

Segundo dados da Orlando Regional Realtors Association (ORRA, Associação das Imobiliárias da Região de Orlando), a perspectiva de o Federal Reserve Board (Fed – o banco central norte-americano) manter a taxa básica de juros estimulou as vendas de todos os tipos de residências, que saltaram 30% em março, em comparação a fevereiro. Já as vendas de casas em condomínios dispararam 42% na mesma base de comparação. De acordo com uma pesquisa divulgada pela revista Forbes, os preços das residências na cidade subiram 9% apenas em 2017, com um potencial de alta de 35% até 2021.

A perspectiva quanto à taxa básica de juros no Brasil – a Selic acompanhada pelo Banco Central – é igualmente de estabilidade, devendo fechar este ano em 6,50%, segundo a pesquisa mensal Focus, do BC. Além da taxa de juros relativamente baixa e estável no Brasil, a proteção cambial e a rentabilidade proporcionadas pelos imóveis no exterior são atrativos poderosos para investimentos naquele mercado.

“É possível adquirir uma casa que se pague totalmente por meio do aluguel e que ainda ofereça uma oportunidade de fonte de renda”, afirma Ricardo Molina, autor do livro Como Ganhar Dinheiro com Vacation Homes e CEO da Talent Realty. Segundo ele, o rendimento proporcionado pelo aluguel decasas nos Estados Unidos varia entre 4% e 6% ao ano, o que permite o pagamento de mais de cinco prestações anuais. Porém, com o uso de portais especializados em aluguéis por temporada, o proprietário pode ter uma postura ativa que lhe proporcione um retorno de até 12% ao ano, com o que é possível quitar totalmente o imóvel e obter renda extra.

 “O turista brasileiro tem procurado reduzir custos com hospedagem, e o aluguel de casas ou quartos é uma alternativa cada vez mais procurada por esse público”, diz Molina, que foi um dos primeiros brasileiros a ingressar no segmento de aluguel de residências para turistas na região de Orlando.

Molina explica que existem dois modelos de residências que podem ser considerados no momento de se decidir pela compra: single homes e vacation homes. “Enquanto as single homes são as casas tradicionais, com contrato de aluguel com prazo mais longo, as vacation homes são destinadas exclusivamente para o aluguel aos turistas, o que representa contratos mais curtos e maior rotatividade”.

Ele considera que a segurança da economia americana, mais estável e com uma moeda forte, é o que tem levado cada vez mais brasileiros a investir no segmento. “Com a crise brasileira, tem aumentado a procura por diversificação de risco, e a compra de casas em Orlando cresce a cada mês”, observa. Uma casa em Orlando de quatro dormitórios, por exemplo, a no máximo 10 minutos da Disney, é alugada, em média, 28 semanas por ano com diária média de US$ 124 (líquido ao proprietário), o que gera uma receita de cerca de US$ 24 mil ao ano, ou seja, cerca de US$ 2 mil por mês.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor