Advertisement

Jungmann: caso Marielle aponta para milícia

Política / 16 Abril 2018

De acordo com o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, as investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do seu motorista Anderson Gomes apontam para o envolvimento de milícias.

- As investigações avançam. Estão partindo de um grande conjunto de hipóteses e afunilando. E uma das possibilidades que tem crescido é que seja um crime ligado às milícias.

Perguntado se descartaria o envolvimento de vereadores no crime, visto que há parlamentares apoiados por milícias, o ministro disse que nenhuma hipótese deve ser descartada.

- Acho que não podemos descartar nada. Sobretudo se existem áudios, se existem informações, que possam levar a qualquer responsabilização.

 

PMs cedidos à Alerj - O secretário de Segurança do Rio, general Richard Nunes, determinou em resolução publicada no Diário Oficial do Estado de hoje, a suspensão de 87 policiais militares cedidos à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). O secretário cita o decreto de intervenção federal na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro, datado de 16 de fevereiro deste ano, “que tem a necessidade de otimizar os esforços realizados pelas forças de segurança pública em conter a criminalidade e proporcionar segurança ao cidadão fluminense”.

Na justificativa, o general explica que o Decreto Estadual 41.687/2009 autoriza a suspensão do empréstimo quando houver atraso, por dois meses consecutivos, do ressarcimento das despesas de pessoal com os agentes cedidos. Como a Alerj está inadimplente com o governo do estado, a secretaria deu um prazo de 72 horas para a regularização do pagamento, encerrado na última sexta.

 

Com informações da Agência Brasil