JPMorgam recomenda trocar ações dos EUA por europeias

Os técnicos do banco apontam o desempenho 20% abaixo do esperado nos últimos 18 meses na Europa.

Acredite se Puder / 18:43 - 30 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Os analistas do JPMorgan mudaram o entendimento sobre os títulos europeus e americanos e aumentaram a recomendação dos primeiros e reduziram a dos segundos, ao ponto da avaliação da Europa superar a dos Estados Unidos. As ações europeias receberam a avaliação de overweight e as norte-americanas foram para a categoria “neutral”. “Há a oportunidade tática do deslocamento para a Zona Euro”, consta no relatório. Os técnicos do banco de investimento apontam, entre as razões para o potencial notado na Europa, o desempenho 20% abaixo do esperado nos últimos 18 meses e a saída de capital equivalente a 20% dos ativos sob gestão. Além disso, para ajudar, a evolução do crescimento tem se transformado em valor. O momento macroeconómico menos favorável no bloco europeu terá em breve uma provável inversão com a ajuda de estímulos.

As previsões do JPMorgan têm riscos implícitos, sendo um Brexit sem acordo o maior deles. Contudo, seus analistas mostram-se otimistas: pois uma saída sem acordo não é o cenário base, como a hipótese de que seja atingido um entendimento até 31 de outubro se mantém válida, caso no qual tanto as ações do Reino Unido como as da restante Europa serão beneficiadas.

 

SEC multa consultorias em US$ 135 mi

A Securities and Exchange Commission ordenou que 16 firmas de consultoria de investimentos paguem US$ 10 milhões a seus clientes por falhas na divulgação de informações sobre suas práticas de seleção de classe de ações de fundos mútuos. Uma delas consultor, no entanto, foi condenado a pagar uma multa civil de US$ 300 mil por não seguir as normas estabelecidas para o acordo.

Em fevereiro do ano passado, a Divisão de Execução da SEC prometeu que, as firmas que se auto reportassem dentro do prazo, teria direito aos termos padronizados de acordo, incluindo a de não responder por uma penalidade civil. Em março deste ano, o regulador norte-americano instaurou ações contra 79 firmas de consultoria estabelecendo o pagamento de mais de US$ 125 milhões para o reembolso dos prejuízos dos clientes. Nesta segunda, incluiu mais 16 consultorias, elevando o valor do reembolso para mais de US$ 135 milhões. A Comissão não ordenou uma sanção civil a nenhuma dessas empresas que se reportam. Porém, a Mid Atlantic Financial, não participou do acordo e foi condenada ao pagamento de multa de US$ 1 milhão e multa civil de US$ 300 mil.

 

Lava Jato faz Ecorodovias baixar pedágio

A partir desta terça-feira, as tarifas serão reduzidas em 30% nas praças operadas pelas concessionárias Ecovia e Ecocataratas, controladas pela Ecorodovias, que fechou um acordo de leniência com a força-tarefa da Lava Jato do Ministério Público Federal. Na praça de São José dos Pinhais, por exemplo, o valor da tarifa para um automóvel que era de R$ 20,90 passa a ser de R$ 14,60. De acordo com o MPF, foram destinados R$ 220 milhões para quitar 30% da tarifa e a diminuição vale até que o valor se esgote, o que deve acontecer em mais de um ano. O acordo prevê investimento de R$ 150 milhões na execução de obras nas rodovias: R$ 130 milhões no trecho administrado pela Ecocataratas e R$ 20 milhões no da Ecovia. As obras serão definidas pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná e pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes.

 

Príncipe saudita espalha terror

O Oriente Médio só representa 30% da oferta mundial de petróleo, 20% do comércio global e 4% do PIB mundial. Mas o príncipe herdeiro e ministro da Defesa da Arábia Saudita, Mohammed Bin Salman, tenta assustar e prevê o colapso total da economia global se o Irã for atacado.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor