Advertisement

Itamaraty protesta contra a perda do nome Amazon

Brasil considera que a decisão da Icann vai contra “o interesse público”.

Internacional / 23:10 - 20 de Mai de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Em nota distribuída nesta segunda-feira, o Ministério das Relações Exteriores lamenta a decisão da Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números (Icann) – o órgão internacional que monitora os endereços da internet –, adotada em 17 de maio de último, de atribuir o nome de domínio .Amazon à empresa norte-americana Amazon, em regime de exclusividade.

Depois de uma discussão de sete anos, o órgão internacional que monitora os endereços da internet (Icann) aliou-se à Amazon contra a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica, que engloba oito países amazônicos: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela.

Segundo a nota, o Brasil tem sido um firme defensor da abordagem multissetorial para a governança da internet e, por isso, considera que a decisão da Icann vai contra “o interesse público” conforme argumentação feita pelos países amazônicos.

Para o Itamaraty, a decisão da Icann deixa de considerar adequadamente “a necessidade de defender o patrimônio natural, cultural e simbólico dos países e povos da região amazônica”.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor