Isabel dos Santos ameaça processar jornalistas internacionais

Filha do ex-presidente angolano contrato os mesmos advogados de Harry e Meghan Markle.

Acredite se Puder / 19:17 - 27 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Desesperada, Isabel dos Santos comunicou nesta segunda-feira que contratou a empresa internacional de advogados Schillings Partners para iniciar as ações legais contra a ICIJ e seus parceiros nas apurações do Luanda Leaks, alegando que as afirmações são falsas e alegações infundadas sobre a utilização de recursos ilícitos para investir em Portugal. A firma que tenta calar os jornalistas é a mesma que representa Harry e Meghan Markle no processo de saída da família real, tendo avisado os tabloides de que não deveriam fotografar o casal na sua nova vida, precisamente porque uma das razões para o afastamento destes foi a necessidade de fugirem à exposição mediática.

Na semana passada, a Procuradoria-Geral da República acusou Isabel de má gestão e desvio de fundos da petrolífera estatal Sonangol e também os portugueses que facilitaram os negócios da filha do ex-ditador José Eduardo dos Santos.

 

JPMorgan vê oportunidade de compra

Enquanto a maioria dos investidores teme a propagação do coronavírus chinês, os analistas do JPMorgan Chase acreditam que a atual volatilidade pode se tornar uma oportunidade de compra. E apesar de admitirem que a onda vendedora de ações possa continuar antes que a infecção melhore, chamam a atenção para o fato de que, no passado, grandes surtos como esse causaram uma desvalorização média de aproximadamente 4,7%. E lembram que quanto mais as ações caíram por causa de temores semelhantes, mais se recuperavam posteriormente. Assim, concluem que temores sobre saúde, guerras localizadas e incidentes terroristas foram historicamente oportunidades de compra, e não razões para vendas sustentadas.

 

Bolsas chinesas fecham até fevereiro

Autoridades chinesas prorrogaram os feriados do Ano Novo Lunar em três dias enquanto lidam com a crise do coronavírus. Não houve comentário oficial da Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China ou das bolsas de valores de Xangai ou Shenzhen sobre quando os mercados serão reabertos. Em 2003, as autoridades estenderam a suspensão das negociações por quatro sessões no feriado do Dia do Trabalho, em maio, durante o surto da Síndrome Respiratória Aguda Grave. As autoridades de Xangai aconselharam empresas a não retomarem as atividades até pelo menos 9 de fevereiro. A Bolsa de Valores da China, a segunda maior do mundo, teve negociações pela última vez em 23 de janeiro, quando o índice de referência de Xangai fechou em queda de 2,8%, a pior véspera do Ano Lunar em três décadas de história.

 

Cotação da Light pode chegar a R$ 28

Os analistas da Ágora Investimentos elevaram o preço-alvo das ações da Light de R$ 19 para R$ 28, pois verificaram um potencial aumento no Ebitda, impulsionado pelo novo plano de recuperação da atual gestão da empresa. Assim, com a meta da empresa de reduzir as perdas totais em 4 pontos percentuais até 2023, atualmente 27% da carga da rede, estabeleceram que a diminuição de cada ponto percentual acrescenta R$ 4 no preço-alvo, o que deverá ser verificado após o terceiro trimestre deste ano. Os especialistas da instituição vislumbram a possibilidade de a Light se tornar uma forte candidata para as operações de aquisição com a execução, mesmo que parcial, do plano, e estimam múltiplo 1,35 vez o valor de mercado sobre a base de ativos regulatórios para os processos de fusões e aquisições.

 

Chuvas afetam barragem da Omega

A Omega Geração, empresa de energia elétrica em Minas Gerais, comunicou que o nível pluviométrico muito alto nos últimos dias fez o rio Pardo Pequeno transbordar, no último sábado, superando o limite do reservatório da usina de Serra das Agulhas. A empresa afirma que ocorreram avarias na barragem, e a usina foi desligada e passará por inspeções para reparos. As ações da Omega sofreram desvalorização de 1,05%, caindo para R$ 41,37.

 

Vender armas na Índia faz Taurus subir

A cotação das ações da Taurus Armas chegou a subir 18%, mas terminou com ganhos de apenas 5,8%, em R$ 6,38. Motivo: assinou com a Jindal Group para produzir e vender armas no país asiático. Será formada joint-venture, com 51% da indiana e 49% dos brasileiros.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor