Ipea aponta recuo de 1,4% na demanda por bens industriais em agosto

Resultado sucede alta de julho, variação do consumo aparente no acumulado de 12 meses encerrados em agosto também foi negativa.

Conjuntura / 12:04 - 10 de out de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A demanda por bens industriais em agosto foi menor que a registrada em julho no Brasil. O Indicador Ipea de Consumo Aparente de Bens Industriais, divulgado nesta quinta-feira, 10, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, apontou recuo de 1,4% na comparação entre os dois meses, com ajuste sazonal. O indicador é definido como a produção industrial interna não exportada, acrescida das importações.

Em relação a agosto de 2018, a demanda por bens industriais caiu 2% - resultado superior ao da produção industrial, que teve queda de 2,2%, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com isso, Indicador Ipea fechou o trimestre terminado em agosto de 2019 com um recuo de 2,1% frente ao mesmo período do ano passado. A variação do consumo aparente no acumulado de 12 meses encerrados em agosto também foi negativa (-1,7%).

Entre os componentes do consumo aparente, a demanda por bens nacionais retrocedeu 0,3% em agosto deste ano frente a julho, enquanto as importações de bens industriais caíram 4,6% no mesmo período.

As grandes categorias econômicas apresentaram desempenho heterogêneo em relação ao mês de julho, com crescimento de 1% na demanda por bens de consumo e recuo dos bens de capital (-1,3%) e bens intermediários (-0,7%). Já na comparação com agosto de 2018, a queda foi generalizada em todas as categorias, com destaque negativo para os bens de consumo duráveis (-9,4%).

A análise dos grandes grupos econômicos mostra que a indústria extrativa mineral teve variação negativa de 7,8% em agosto, frente a julho, enquanto a de transformação recuou 0,2%. Doze dos 22 segmentos da indústria de transformação avançaram. Entre os que têm peso relevante, os segmentos máquinas & equipamentos e petróleo & derivados cresceram 12,4% e 3,8%, respectivamente.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor