Advertisement

Investir em diversidade e fomentar talentos

Mark Zuckerberg costuma dizer que, se uma empresa consegue fazer corretamente duas coisas – ter um direcionamento claro sobre o que quer fazer...

Opinião / 16 Abril 2018

Mark Zuckerberg costuma dizer que, se uma empresa consegue fazer corretamente duas coisas – ter um direcionamento claro sobre o que quer fazer e atrair ou “fabricar” pessoas excepcionais que possam executá-lo – então tem tudo para se sair bem. E é sempre bom dar ouvidos ao rapaz que criou “apenas” o Facebook.

Eu adicionaria a esse pensamento uma necessidade ainda mais complexa: a de diversificar, o máximo possível, o time de funcionários. Digo “diversificar” no sentido mais amplo, além do gênero, da cor da pele e da orientação sexual. Estou falando de conhecimento prático e teórico, bagagem de vida mesmo, preocupação genuína com as pessoas e o futuro do planeta e capacidade de resolver problemas usando um item cada vez mais raro (e, por isso, absolutamente vital) no nosso mundo: bom senso.

 

Em 2030, haverá uma escassez

de profissionais qualificados

 

Não é tarefa corriqueira, mas acredito que equipes diversificadas têm, sim, inteligência coletiva superior à dos grupos homogêneos. E isso faz muita diferença para o futuro de uma empresa.

No final de 2017, a McKinsey distribuiu uma pesquisa internacional da qual gosto muito e que indica alguns atalhos interessantes para as empresas que almejam a liderança e o protagonismo. E um dos pontos mais ressaltados é a necessidade de as companhias criarem programas específicos para garantir o envolvimento/engajamento de seus profissionais e colaboradores. O item mais citado pelos entrevistados? A empresa precisa demonstrar um forte comprometimento com a diversidade e a inclusão.

O estudo demonstra também que, até 2025, 3 de cada 4 trabalhadores serão millennials – ou seja, nascidos entre os anos 1980 e 2000. No PayPal, por exemplo, essa porcentagem já é de 55%. E as características dessa geração são bastante complexas, porque distintas, na raiz, das gerações que a precederam.

Para um millennial típico, o salário (embora importante) não é o bem maior. A expectativa de impacto que seu trabalho pode gerar – seja em sua comunidade seja em âmbito global – conta mais. Ele gosta de fazer parte de algo maior do que a empresa propriamente dita. Precisa estar motivado pela cultura organizacional – empolgação gerada por ações, não discursos. Ah, e quer ser líder o quanto antes.

E aí temos mais um problema: apenas 7% dos mais de mil altos executivos ouvidos pela McKinsey durante a etapa de campo do levantamento creem que suas empresas desenvolvem líderes de forma eficaz. É uma matemática perversa, mas brigar com os números não é uma boa ideia.

Em um ambiente tão volátil quanto o que vivemos torna-se (quase) desnecessário dizer o quão difícil é manter esse novo profissional 100% dedicado e centrado.

Outro ponto importante destacado pela McKinsey: em 2030, haverá uma escassez de talentos qualificados da ordem de 40 milhões de profissionais. Levando-se em consideração que as mulheres já são maioria em cursos de graduação, mestrado e doutorado, é possível que assistamos, na próxima década, a uma inversão da balança de empregos entre eles e elas. As mulheres estão cada vez mais preparadas, intelectual e emocionalmente, para alcançar o sucesso pessoal e profissional.

No PayPal Brasil, elas já respondem por 53% dos cargos de chefia – o índice do PayPal global é 33%. E recebem exatamente os mesmos salários que os homens.

O estudo salienta também que, nesse cenário sempre em mutação, buscar os critérios certos na hora da seleção de candidatos para qualquer vaga é fator crítico. E, uma vez contratados os funcionários, centrar esforços no desenvolvimento das habilidades que realmente importam – respeitando-se, claro, as características de cada um deles.

O mesmo vale para as chamadas “pratas da casa”. Mais do que uma família – termo já desgastado, principalmente por seu mau uso – os funcionários de uma empresa precisam se tornar um time coeso e que goste de trabalhar junto, cada um em seu timing e com objetivos claros e recompensas palpáveis.

Claro que não é fácil, mas, se você conseguir estabelecer uma cultura organizacional com base nesses itens, estará bem perto do sucesso. E lembre-se: depois que tudo foi dito e feito, é fundamental que mais tenha sido feito do que dito.

 

 

Paula Paschoal

Diretora geral do PayPal Brasil.