Advertisement

Investimento em ativos fixos da China sobe 6,1% em dois meses

Investimento privado apresentou rápido crescimento, subindo 7,5% anualmente para US$ 402,3 bilhões.

Internacional / 14 Março 2019 - 12:34

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O investimento em ativos fixos (IAF) da China cresceu 6,1% em termos anuais nos primeiros dois meses de 2019, 0,2 ponto percentual a mais em relação a 2018. A informação foi divulgada nesta quinta-feira pelo Departamento Nacional de Estatísticas (DNE).

O porta-voz do DNE, Mao Shengyong, declarou que a demanda doméstica manteve um crescimento estável de janeiro a fevereiro deste ano, dando estabilidade ao IAF e à expansão de consumo.

A alta do IAF vem acompanhando uma tendência de crescimento desde setembro do ano passado, segundo os dados do DNE.

O crescimento de 6,1% também atendeu às expectativas do mercado, de acordo com uma reportagem citando a corretora de valores japonesa Nomura.

As vendas a varejo de bens de consumo da China aumentaram 8,2% em termos anuais nos primeiros dois meses do ano, a mesma registrada em dezembro, segundo os dados do DNE.

Mao destacou que a China melhorou sua estrutura econômica durante o período.

O investimento privado apresentou rápido crescimento, subindo 7,5% anualmente para 2,7 trilhões de iuanes (US$ 402,3 bilhões).

O aumento do investimento na indústria terciária e desenvolvimento da tecnologia industrial acelerou ou manteve rápido crescimento, informou o porta-voz.

O investimento na indústria terciária expandiu 6,5% no primeiro bimestre do ano, mais rápido que os 5,5% em 2018.

Ao mesmo tempo, o investimento nas indústrias de alta tecnologia e no desenvolvimento da tecnologia industrial cresceram 8,6% e 19,5% respectivamente em termos anuais, ambos superando o crescimento total do IAF.

Os dados da quinta-feira também apontaram que o investimento em infraestrutura aumentou 4,3% anualmente, acelerando face aos 3,8% em 2018.

O investimento na indústria primária e na secundária cresceu 3,7% e 5,5% respectivamente.

 

Agência Xinhua

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor